Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
8

FOGO DESTRUIU CARPINTARIA

Um incêndio que deflagrou pelas 16h50 de ontem numa oficina de carpintaria em Algueirão-Mem Martins, na qual se registou a explosão de duas garrafas de gás de 13 quilos cada uma, não causou feridos mas o fogo destruiu por completo as instalações e parte de uma habitação.
12 de Agosto de 2003 às 00:00
Um casal com três filhos menores que viviam na habitação, o filho do proprietário da carpintaria e um seu trabalhador, que ocupavam as próprias instalações da oficina para viver, ficaram sem lar.
A oficina situada na Rua Casal da Cavaleira, em Algueirão-Mem Martins, era de construção antiga, “facto que terá alegadamente contribuído para uma rápida propagação do incêndio”, segundo adiantou fonte dos Bombeiros Voluntários de Algueirão-Mem Martins, uma das corporações que esteve no local. A operação teve a coordenação do comandante Elísio Oliveira dos Voluntários de Algueirão-Mem Martins.
As explosões de duas garrafas de gás foram estrondosas e causaram o pânico aos residentes e comerciantes que vivem ou têm os seus negócios perto da carpintaria, que temeram consequências muito graves, facto que acabou por não acontecer.
A existência no interior da oficina de produtos altamente inflamáveis, tais como vernizes e tintas, terão contribuído para que as chamas se propagassem à cobertura da carpintaria assim como ao telhado da residência contígua. Apesar da propagação de rapidez do fogo, não se registaram danos pessoais. Contudo, os prejuízos materiais são muito elevados.
A oficina ficou completamente destruída assim como todos os materiais e equipamentos que se encontravam dentro do estabelecimento. A residência ao lado da oficina, por ser de construção antiga, ficou com o telhado destruído. Em consequência, um casal e três filhos menores ficaram sem casa e foram acolhidos pela Serviço Municipal de Protecção Civil de Sintra, disse ao nosso jornal fonte dos Bombeiros Voluntários de Algueirão-Mem Martins.
O proprietário da carpintaria, José Aradas, disse ao CM que quando o incêndio deflagrou não se encontrava dentro da oficina, por isso, não consegue perceber “como tudo isto aconteceu”. Visivelmente abatido e preocupado com a completa destruição das instalações, José Aradas não consegue calcular o valor dos prejuízos e, diz, “nem sei em quanto o seguro me pode ajudar”, concluiu.
No combate às chamas estiveram presentes quatro corpos de bombeiros. Os Voluntários de Algueirão-Mem Martins, Sintra, S. Pedro de Sintra e Agualva-Cacém. Na operação trabalharam 32 bombeiros apoiados por nove veículos.
Ver comentários