Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
7

Forças Armadas com 170 militares no combate aos fogos

Estão ainda em operação dois helicópteros, três drones e um avião.
Sérgio A. Vitorino 19 de Julho de 2022 às 18:08
Forças Armadas reforçam combate aos fogos
Forças Armadas reforçam combate aos fogos
Forças Armadas reforçam combate aos fogos
Forças Armadas reforçam combate aos fogos
Forças Armadas reforçam combate aos fogos
Forças Armadas reforçam combate aos fogos
Forças Armadas reforçam combate aos fogos
Forças Armadas reforçam combate aos fogos
Forças Armadas reforçam combate aos fogos
Forças Armadas reforçam combate aos fogos
Forças Armadas reforçam combate aos fogos
Forças Armadas reforçam combate aos fogos
Forças Armadas reforçam combate aos fogos
Forças Armadas reforçam combate aos fogos
Forças Armadas reforçam combate aos fogos
Forças Armadas reforçam combate aos fogos
Forças Armadas reforçam combate aos fogos
Forças Armadas reforçam combate aos fogos
Forças Armadas reforçam combate aos fogos
Forças Armadas reforçam combate aos fogos
Forças Armadas reforçam combate aos fogos
Forças Armadas reforçam combate aos fogos
Forças Armadas reforçam combate aos fogos
Forças Armadas reforçam combate aos fogos

As Forças Armadas reforçaram o seu dispositivo e têm neste momento empenhado cerca de 170 militares em missões de vigilância, deteção e apoio ao combate a incêndios florestais, adiantou ao CM fonte do Estado-Maior-General das Forças Armadas.

De acordo com a mesma fonte, no apoio à vigilância e deteção de incêndios rurais, além de 48 patrulhas do Exército e da Marinha, num total de 96 militares, estão ainda em operação dois helicópteros para missões de reconhecimento e coordenação e três drones e um avião C295 nas operações de vigilância, deteção e dissuasão, especialmente nos "locais sinalizados como de risco muito elevado de incêndio".

Para auxiliar o combate ao incêndio em Vila Real, estão ainda empenhados quatro destacamentos de engenharia, com quatro máquinas de rasto, "para ajuda na abertura de caminhos que facilitem o acesso dos operacionais que combatem os incêndios", referem as Forças Armadas. Foram projetados ainda "dois módulos de alimentação de campanha com capacidade para fornecer alimentação a 400 pessoas".

"O dispositivo das Forças Armadas em apoio à vigilância e deteção de incêndios rurais pode ser alterado consoante o evoluir da situação e de acordo com os pedidos das entidades coordenadoras", esclarece o Estado-Maior-General das Forças Armadas.

Forças Armadas Forças Armadas acidentes e desastres incêndios questões sociais política defesa
Ver comentários