Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
2

Geada ataca culturas

Há quinze anos que Virgílio Silva se dedica à horticultura em estufas e não se lembra de uma geada tão forte como a registada na madrugada de quinta para sexta-feira. O frio arrasou com a sua produção de tomates. Mas este foi apenas um dos muitos casos registados na região. Numa primeira estimativa, a Uniprofrutal – União dos Produtores Hortofrutícolas do Algarve admite que os prejuízos ultrapassem um milhão de euros.
11 de Janeiro de 2009 às 00:30
Virgílio Silva, que tem três hectares de estufa de tomate, diz que os frutos ficaram destruídos devido ao intenso frio que se fez sentir
Virgílio Silva, que tem três hectares de estufa de tomate, diz que os frutos ficaram destruídos devido ao intenso frio que se fez sentir FOTO: Paulo Marcelino

Eduardo Ângelo, presidente da Uniprofrutal, refere que não existem ainda valores concretos sobre os danos causados, mas estima que as geadas tenham afectado "metade das estufas da região", cuja área total ronda os 250 hectares.

Este responsável refere que "houve mesmo casos de perda total de produção". A Uniprofrutal vai solicitar às entidades oficiais que "seja efectuado um levantamento rigoroso dos prejuízos e que possa ser disponibilizado algum apoio".

O agricultor Virgílio Silva, que conta com três hectares de estufa de tomate, na zona de São Bartolomeu de Messines, foi um dos lesados pelas condições meteorológicas adversas: "O frio foi tão intenso que cozeu os tomates. Umas cem toneladas ficaram sem aproveitamento."

O empresário agrícola estima um prejuízo de cerca de "50 mil euros", não estando coberto pelo seguro. E só não perdeu mais, porque "já estava quase em fim de cultura, mas muitos colegas ficaram em pior situação".

LARANJAS MAIS RESISTENTES

As geadas, que se têm feito sentir, também poderão causar alguns danos nos citrinos, mas, por enquanto, não existe registo de grandes problemas.

Segundo Eduardo Ângelo, presidente da Uniprofrutal, as árvores apresentam uma maior resistência ao frio intenso do que os hortícolas.

Quanto à possibilidade de os frutos perderem qualidade, o director regional de Agricultura do Algarve, Castelão Rodrigues, não antevê que isso venha a acontecer. E explicou que uma das principais vantagens da laranja algarvia – a doçura – resulta "do número de horas de sol que apanha".

LEVANTAMENTO PARA DEFINIR MEDIDAS

O director de Agricultura do Algarve garantiu ontem ao CM que vai ser efectuado um levantamento para determinar se as geadas provocaram prejuízos nas culturas hortícolas da região, mas garantiu que, por enquanto, ainda não existe qualquer queixa formalizada.

Segundo Castelão Rodrigues, "só depois de efectuado esse levantamento é que será possível determinar se se justifica a tomada de medidas de apoio e de que tipo".

Este responsável admite que estufas que não esteja preparada com sistema antigeadas (detectores de baixa temperatura que disparam jactos de água para evitar os efeitos do gelo) possam ter sofrido alguns problemas, mas considera que, "para já, é prematuro avançar com o que quer que seja sem o levantamento estar efectuado".

PORMENORES

TEMPERATURA

O agricultor Virgílio Silva refere que a temperatura registada na zona onde possui estufas de tomate atingiu os cinco graus negativos, cobrindo de gelo as estruturas que protegem as plantas.

CULTURAS

O tomate, o pimento e o melão são as culturas com maior relevância em termos de horticultura de estufa na região algarvia nesta altura do ano.

APOIO

O levantamento da Direcção Regional de Agricultura determinará se é necessário avançar com apoios aos agricultores algarvios.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)