Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
4

GNR AGREDIDOS

Quatro militares da GNR ficaram ontem feridos num bairro de Oeiras durante uma operação de detenção de um indivíduo, acção que, no entanto, acabou por ser concretizada, não obstante a violenta reacção.
29 de Janeiro de 2003 às 02:07
O caso ocorreu durante a tarde, quando uma patrulha da GNR de Porto Salvo, Destacamento de Oeiras, se deslocou ao Bairro do Moinho das Rolas, para executar um mandado judicial de detenção.

A patrulha localizou o visado e preparava-se para concretizar a prisão, quando surgiu um grupo de 40 a 50 indivíduos, que rodearam a patrulha, partindo para a agressão aos militares, na tentativa de impedir a acção policial. Foram chamados reforços e um total de 10 militares foram rodeados pelos agressores, chegando-se ao confronto físico. Já então o indivíduo procurado estava dentro do jipe sob prisão, o que aumentou o nível de violência contra a GNR.

A viatura ficou com um vidro partido e com amolgadelas e os militares tiveram que usar as “shot-gun”. Mas a verdade é que os agressores já conhecem os efeitos não letais das “balas de borracha” e mantiveram as agressões, não ligando também ao tiros de fogo real disparados para o ar, uma vez que sabem que as forças policiais têm uma utilização muito limitada das munições letais.

Os militares, não obstante os quatro feridos, acabaram por cumprir o mandado judicial e conseguiram sair do bairro com o preso, que pouco depois era conduzido a Caxias. Os quatro militares feridos foram conduzidos ao Hospital de S. Francisco Xavier e deverão entrar hoje de baixa de convalescença, mas o policiamento no bairro e noutros locais vai ser inclusive reforçado, talvez mesmo com forças de intervenção.
Ver comentários