Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
2

GNR TEME REGRESSO DE GANG A SESIMBRA

A GNR está preocupada com uma série de indícios já recolhidos e que apontam para o regresso do grupo de cem desordeiros que provocou o caos no centro da vila de Sesimbra. Perante este cenário, o efectivo do posto local está a ser progressivamente reforçado, não estando posta de parte a hipótese de, durante o fim-de-semana, o Regimento de Infantaria ser chamado, soube o CM.
3 de Setembro de 2003 às 00:00
Análises feitas aos dados recolhidos em sequência dos ataques da madrugada de sábado, em que várias pessoas foram assaltadas e agredidas no centro de Sesimbra, apontam para que a maioria dos marginais seja do Bairro da Cova da Moura, na Buraca, Amadora.
Com idades entre os 14 e os 20 e poucos anos, os suspeitos – dos quais 11 foram apanhados – estão referenciados pela prática de furtos e roubos a pessoas e estabelecimentos, em vários pontos da zona de Lisboa.
CINQUENTA MILITARES
A GNR está já a implementar um plano que aponta para que os 35 homens que, diariamente, asseguram o patrulhamento em toda a área de Sesimbra possam receber a ajuda de mais militares, destacados de outros postos do Grupo Territorial de Setúbal. O pico deste reforço progressivo do efectivo do posto local deverá ser atingido no próximo fim-de-semana, período em que é temido um regresso dos indivíduos. Um total de meia centena de militares ficarão de prevenção, para o que ‘der e vier’.
Habitualmente destacados para reforços de patrulhamento, os militares do Regimento de Infantaria (unidade de reserva do Comando-Geral da GNR) estão igualmente de prevenção, nomeadamente devido ao treino de que dispõem em situações de alteração da ordem pública.
Este reforço de patrulhamento é, de resto, bem acolhido pelos habitantes de Sesimbra. Ainda impressionados com a sequência de acontecimentos que abalaram a vila durante o último fim-de-semana, alguns populares manifestaram ao nosso jornal a certeza, quase absoluta, de que o pior pode voltar a acontecer.
No Largo Bombaldes, artéria do centro da vila de Sesimbra onde se registaram os piores confrontos, corre mesmo a informação de que alegados membros do grupo de desordeiros já terão posto a correr, através de um ‘site’ de Internet, a garantia de que, nos próximos dias, irão regressar para terminar o que deixaram em aberto. “Fala-se que alguns deles já cá estiveram, no domingo, para ‘apalpar’ terreno”, contou ao nosso jornal um popular, que preferiu manter o anonimato.
“Naquela noite, eles foram claros em dizer que iam voltar. E se isso se confirmar estamos prontos para defender aquilo que é nosso, tal como o fizemos no último fim-de-semana”, acrescentou outro morador do centro de Sesimbra.
FRANCISCO CATARINO: PARECIAM UMA QUADRILHA
“Não sei se pode vir a acontecer de novo. O grupo de indivíduos que aqui estiveram parece uma quadrilha de malfeitores. Sesimbra sempre foi uma terra calma e estas confusões espantam quem aqui mora. Tenho 81 anos, e saio pouco à noite. Por causa disto, ainda vou passar a sair menos vezes.”
NATALINA VERISSIMO: INTINTOS DE MALVADEZ
“Na minha opinião quem fez isto, fê-lo por instintos de malvadez. As pessoas de Sesimbra não andam atrás de ninguém para roubar o que quer que seja. Muitos dos meus clientes mostram receio que grupos de fora venham para aqui. Na sexta-feira, muita gente disse que isto parecia o ‘Texas’.”
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)