Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
4

Guarda prisional indiciado por homicídio de PSP "está triste", diz advogado

Pedro Nunes Maduro diz que arguido "aguarda serenamente o desenrolar do processo".
Lusa 15 de Dezembro de 2020 às 00:02
Guarda prisional que atropelou PSP em Évora
Guarda prisional que atropelou PSP em Évora FOTO: Direitos Reservados
O advogado do guarda prisional indiciado por homicídio qualificado de um agente da PSP de Évora disse esta segunda-feira à agência Lusa que o seu cliente "está triste" pelo sucedido e "aguarda serenamente o desenrolar do processo".

"O meu cliente, que ficou em prisão preventiva, está triste por toda a situação", afirmou o advogado Pedro Nunes Maduro, após ser conhecida, esta noite, a medida de coação aplicada pelo juiz de Instrução Criminal de Évora.

Referindo que o seu constituinte tem "uma condenação anterior por condução em estado de embriaguez" e "mais nenhum antecedente criminal", o causídico argumentou que o homem vai aguardar "serenamente o desenrolar do processo" judicial em que está agora indiciado.

guarda prisional psp morte homicídio Évora crime lei e justiça questões sociais
Ver comentários