Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
1

Homicida contratado teve pena da vítima

O jovem de 19 anos que esfaqueou uma mulher durante um assalto a uma casa, em Quintela, São Pedro do Sul, confessou ontem às autoridades que foi contratado por um enteado da vítima com quem fez um acordo “de grandes amigos”: matava a mulher e dividia com o mandante 50 mil euros que estavam num cofre na residência.
19 de Maio de 2006 às 00:00
O homem contratado para matar, ontem, à saída do tribunal
O homem contratado para matar, ontem, à saída do tribunal FOTO: Luís Oliveira
O assaltante contou esta versão dos factos aos investigadores na altura em que foi detido, três horas depois do assalto e da tentativa de homicídio, na quarta-feira. Na origem do crime estão desavenças familiares e razões de ordem financeira.
Pouco tempo depois de o alegado autor material ter deixado o Tribunal de São Pedro do Sul, sob prisão preventiva, a GNR deteve – pelas 21h00 – um enteado da vítima implicado como autor moral do crime. Este indivíduo tem 24 anos e será hoje sujeito a interrogatório judicial.
O mandante do crime já estivera sob “vigilância discreta” por parte das autoridades, durante todo o dia, para evitar alguma tentativa de fuga, uma vez que já suspeitavam da sua conduta. Os investigadores não excluem a possibilidade de “haver mais gente envolvida” no crime.
A GNR desconfiou desde o início que por detrás do assalto “havia outras intenções”, devido à “extrema violência” usada pelo assaltante. “A mulher, de 44 anos, sofreu violentos golpes de faca em várias zonas do corpo”, disse o tenente José Ferreira, comandante da GNR de Viseu. Encontra-se internada em estado grave.
Na altura em que o indivíduo foi detido “tinha vestígios de sangue e acabou por confessar o crime” e estava na posse de ouro e dinheiro. Pouco depois, indicou aos militares onde tinha abandonado o cofre, onde estariam os 50 mil euros referenciados pelo mandante, que conhecia a casa da vítima e sabia da existência dos valores.
Quando foi confrontado com as acusações do executante da tentativa de homicídio e roubo, o enteado da vítima negou qualquer participação nos crimes. E apenas adiantou que lhe tinha dado boleia de carro para “um sítio” que não soube especificar.
"CASA CHEIA DE SANGUE"
O assalto aconteceu pelas 19h30, quando a vítima, Manuela Pinto Cardoso, de 44 anos, natural da Figueira da Foz, estava sozinha em casa – o marido encontrava-se em Moçambique em negócios. A vítima tem dois filhos maiores do primeiro casamento. A sua habitação localiza-se numa zona reservada, onde existe apenas mais uma casa que é habitada por Augusto Machado.
“Segundo dizem, por detrás disso estão desavenças familiares relacionadas com dinheiro. O ladrão foi muito violento porque a casa ficou cheia de sangue, parecia o cenário de um filme de terror”, disse o vizinho.
VIOLÊNCIA
DEZ FACADAS
O assaltante desferiu uma dezena de facadas na mulher, tendo-a atingido com maior gravidade no pescoço, no abdómen (a escassos centímetros de um pulmão) e na zona das virilhas. Está internada em estado considerado “reservado” no Hospital de Viseu, onde hoje vai ser sujeita a uma intervenção cirurgia.
SOCORRO
Quando a mulher estava no chão a esvair-se em sangue, o assaltante deu-lhe um telemóvel para que pedisse socorro. A vítima ligou então para um amigo. O suspeito está a residir com os pais em Portimão, mas deslocava-se muitas vezes a S. Pedro do Sul. Agora está preso e indiciado da autoria de um crime de homicídio na forma tentada e de um crime de roubo qualificado.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)