Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
4

Idade evitou pena máxima

A idade já avançada – ambos a chegarem aos 60 anos – e o facto de não terem usado de violência nos assaltos a bancos livraram ontem os dois arguidos do ‘gang das boinas’ de uma condenação à pena máxima de prisão pelo Tribunal de Leiria. As penas parcelares ascenderam aos 109 anos de cadeia, mas, feito o cúmulo jurídico, João Dias apanhou 20 anos de prisão e Manuel Gonçalves 16.

19 de Fevereiro de 2009 às 00:30
A dupla de assaltantes foi condenada a 20 e 16 anos de cadeia
A dupla de assaltantes foi condenada a 20 e 16 anos de cadeia FOTO: Paulo Cunha, Lusa

Os arguidos, conotados com as FP-27 (grupo liderado pelos irmãos Cavaco que nos anos 80 se dedicava a assaltos violentos), estavam acusados de 50 crimes – roubo qualificado, furto, falsificação e posse ilegal de armas. O tribunal absolveu-os de 19.

Quanto aos restantes 31, o acórdão lido pelo juiz João Guilherme Silva considerou-os "mais do que provados". "A vossa conduta pautou-se pela boa organização. Sabiam o que estavam a fazer e a intenção sempre foi muito clara: levar o dinheiro", referiu.

João Dias, 58 anos, e Manuel Gonçalves, 57, só cometeram um erro. Um deixou uma impressão digital no balcão de um dos bancos assaltados. A partir dessa pista, e porque ambos tinham antecedentes criminais, a PJ pôde reunir provas que os incriminam. Os elementos, muitos deles científicos, reforçados pela clareza das testemunhas, deram consistência à decisão do tribunal.

"É claro e inequívoco que foram os srs. a praticar os crimes", afirmou o juiz, dando como provados seis roubos a bancos em Leiria (4), Ourém e Chamusca. O juiz aconselhou os arguidos a aproveitarem a reclusão para repensar a vida.

Ver comentários