Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
3

IMAGEM DOS DIPLOMADOS CORRE PERIGO

A imagem dos diplomados portugueses poderá deteriorar-se internacionalmente porque os alunos conseguem entrar nas universidades com notas negativas, considera o ministro, que receia os resultados de eventuais inspecções internacionais.
25 de Julho de 2002 às 22:20
O ministro da Ciência e do Ensino Superior afirmou à Lusa que quer, por isso, obrigar os candidatos às universidades e politécnicos a ter nota igual ou superior a 9,5 valores nas provas de ingresso. Só assim, diz, será possível credibilizar internacionalmente o ensino superior português.

Lynce receia que as inspecções internacionais, que afirma não tardarem, concluam que os licenciados portugueses não têm qualidade.

"No ano passado, dos cerca de 36 mil alunos que ingressaram no ensino superior, cerca de 10 por cento obtiveram nota negativa nas provas de ingresso. Não posso permitir que os outros 90 por cento sejam prejudicados", salientou Pedro Lynce.

De acordo com o governante, no projecto que está em estudo e que prevê alterações à legislação em vigor, mantém-se a actual fórmula de cálculo da nota de candidatura ao ensino superior, até porque, diz, aquela fórmula é "equilibrada".

Actualmente, a classificação de candidatura é constituída pela nota que os alunos obtiveram nos 10.º, 11.º e 12.º anos, com um peso que varia entre 40 e 60 por cento, e a nota das provas de ingresso. É nas notas obtidas nas provas de ingresso que Pedro Lynce quer impor o mínimo de 9,5 valores.

Para poderem aceder ao ensino superior, os alunos têm de concluir o ensino secundário, tendo de realizar cinco exames nacionais. Destes, um ou dois são considerados provas de ingresso ao superior, escolhidas por cada uma das instituições.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)