Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal

Incendiária inventa filho bebé para evitar cadeia

Mulher de 40 anos ateava fogo à floresta, perto de casa, quando se desentendia com vizinhos.
Fátima Vilaça e Liliana Rodrigues 24 de Setembro de 2017 às 01:30
Bombeiros
Bombeiros
Bombeiros
Bombeiros
Bombeiros
Bombeiros
Bombeiros
Bombeiros
Bombeiros
Bombeiros
Bombeiros
Bombeiros
Bombeiros
Bombeiros
Bombeiros
Bombeiros
Bombeiros
Bombeiros
A mulher de 40 anos detida na quinta-feira pela Polícia Judiciária de Braga, em Arcos de Valdevez, por ter ateado um incêndio florestal, inventou um filho de 4 meses para evitar a cadeia. A incendiária, que já antes tinha tentado convencer os inspetores de que não poderia ficar presa porque tinha de amamentar o bebé, repetiu a mesma história ao juiz de instrução criminal que a ouviu. No entanto, os investigadores já tinham confirmado que não existia qualquer criança. A suspeita já está em prisão preventiva.

Desde que a mulher se mudou para Arcos de Valdevez, há cerca de dois anos, houve registo de pelo menos dez incêndios na mesma zona florestal, próxima da sua habitação. Sempre que se desentendia com os vizinhos, a detida - que tem fortes hábitos alcoólicos - pegava fogo à floresta. As chamas, além de colocarem em perigo as habitações, causaram um elevado prejuízo ao ambiente e grande alarme entre os moradores.

Desempregada, estava há largos meses sob suspeita. A GNR de Arcos de Valdevez já a tinha até identificado em três situações de fogos florestais. No entanto, nunca terá comunicado essas suspeitas à Polícia Judiciária - à qual compete a investigação em casos de fogo posto.

Na quinta-feira, a Polícia Judiciária de Braga acabou por deter a incendiária, fora de flagrante delito. E o tribunal decidiu aplicar à suspeita a medida de coação mais gravosa - prisão preventiva - imputando-lhe a autoria de quatro crimes de incêndio florestal.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)