Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
8

Incendiário ateia sete fogos num dia

Manobrador de máquinas atuou de forma intencional e provocou fogos florestais junto a bombas de gasolina, em Lousada.
Liliana Rodrigues, Manuel Jorge Bento e João Carlos Rodrigues 7 de Agosto de 2018 às 01:30
Militares da GNR combatem fogo
Incendiário
Incendiário
Fogo florestal
Militares da GNR combatem fogo
Incendiário
Incendiário
Fogo florestal
Militares da GNR combatem fogo
Incendiário
Incendiário
Fogo florestal
Num dia em que as temperaturas atingiram recordes históricos, um manobrador de máquinas ateou pelo menos sete fogos florestais em Cristelos, Silvares e Boim (Lousada), em poucas horas, no sábado. O incendiário, de 42 anos, atuou num quadro depressivo, dizimou cerca de 6 mil metros quadrados de floresta e pôs em risco um posto de abastecimento de combustíveis junto a um hipermercado, em Cristelos.

Foi detido pela Judiciária do Porto, com a colaboração da GNR e dos bombeiros. Presente a tribunal, ficou a aguardar julgamento em prisão preventiva.

O combate às chamas levou os bombeiros de Lousada a ‘saltarem’ de fogo em fogo, durante toda a madrugada de sábado, e a pedirem apoio a cinco corporações vizinhas. O incendiário apanhado, residente em Lousada, recorreu a chama direta para atear os sete incêndios, que só não tiveram consequências piores - sobretudo pelas temperaturas - devido à rápida intervenção dos bombeiros.

A PJ do Porto, entretanto, deteve também um outro incendiário, um desempregado de 35 anos. Depois de um acidente, o condutor levou o carro até uma zona de mato e arvoredo, com diversas casas nas imediações, em Duas Igrejas, Paredes, às 20h15 de sexta-feira.

Com fósforos e um líquido acelerante, ateou fogo à viatura. O incêndio propagou-se à área florestal e foi combatido pelos bombeiros. O homem acabou detido, foi presente a juiz e ficou em liberdade, sujeito a apresentações semanais e a tratamento psiquiátrico. Já na semana passada, uma mulher de 73 anos que ateou dois fogos em queimadas, em Leiria, e foi detida pelos inspetores da Polícia Judiciária, ficou em liberdade. A septuagenária já tinha sido condenada, há três anos, pelo mesmo crime de incêndio florestal.

"Retirada à força é legítima"
Penalista e professor universitário Rui Pereira comenta a atuação das autoridades em zonas de fogos

Correio da Manhã – É legítima a retirada à força de pessoas em zonas ameaçadas por fogos florestais?
Rui Pereira – Sim, à luz da Lei de Segurança Interna é legítimo o encerramento de acesso a determinados locais e a evacuação de zonas ameaçadas. É uma medida de polícia. As forças de segurança podem adotar essa medida de acordo com uma avaliação de risco que é feita para a ocorrência.

– As populações podem recusar sair? Quais são as consequências?
– Estamos a falar de situações delicadas, de pessoas desesperadas, é preciso muita pedagogia. Mas, no limite, se houver recusa das pessoas em cumprir uma ordem legítima de uma autoridade pode ser invocado o crime de desobediência, que é punível com pena até um ano de cadeia. Mas esta é uma situação limite, que deve ser evitada por todas as partes envolvidas
manobrador Cristelos Lousada Silvares Boim GNR detido pj incendiário fogo incêndio
Ver comentários