Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
6

Incêndio no Palácio da Justiça no Porto

Obra com maçarico no telhado do edifício originou o fogo, revela presidente da Câmara.
23 de Julho de 2021 às 15:45
A carregar o vídeo ...
Incêndio no Palácio da Justiça no Porto
Um incêndio que deflagrou, esta sexta-feira, no Palácio da Justiça, no Campo dos Mártires da Pátria, no Porto, obrigou a evacuar todo o edifício.




O alerta foi dado às 15h33. O fogo, que já está dominado, começou na cobertura do Palácio da Justiça, edifício emblemático da Invicta onde funciona o Tribunal da Relação do Porto. O fogo, que foi visível de várias partes da baixa portuense e de Vila Nova de Gaia foi extinto em poucos minutos.

Combateram as chamas no edifício vizinho à Torre dos Clérigos os Sapadores do Porto, Bombeiros Voluntários. A PSP interrompeu a circulação na zona envolvente ao jardim da Cordoaria.

O Presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, explicou que estava a ser colocada uma tela no topo do Palácio da Justiça com recurso a um maçarico e terá começado o incêndio. "É um fumo muito preto porque é asfalto", disse. 

O Segundo Comandante dos Sapadores do Porto, Ricardo Pereira, confirmou que apenas "existem danos na cobertura" do Palácio das Justiça que "tem cerca de 100 metros quadrados e onde se verificou a ignição e a combustão da impermeabilização em asfaltagem, gerando-se ali um foco de incêndio".

"A coluna de fumo negro dizia respeito às telas que estavam a arder, foi prontamente combatido, está extinto e não há grande damos", sublinhou.

O responsável dos bombeiros confirmou que "a evacuação foi feita com calma e tranquilidade", que não há feridos a lamentar" e que, inclusive, "as pessoas já foram autorizadas a reentrar no edifício". 

O combate às chamas, acrescentou, "durou cerca de meia hora".

Em nota enviada à Comunicação Social, o Ministério da Justiça adianta que o edifício do Palácio da Justiça "vai poder voltar á normalidade", agradecendo a "rápida e eficaz intervenção do Batalhão de Sapadores Bombeiros do Porto", que permitiu que não houvesse "danos de maior".


Palácio da Justiça Porto Campo dos Mártires da Pátria
Ver comentários