Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal

Industrial do calçado quis subornar GNR com sapatos

Perante a iminência de ser detido por crime de caça ilegal, um empresário do ramo do calçado de Santa Maria da Feira resolveu tentar os militares que o apanharam em flagrante com um suborno no mínimo original. Declarando ser dono de uma indústria de calçado, o homem, na casa dos 50 anos, pretendia que o perdoassem a troco da oferta de um par de sapatos a cada um dos militares presentes.
8 de Dezembro de 2007 às 00:00
Os dois elementos da Equipa de Protecção da Natureza e Ambiente (EPNA) da GNR de S. João da Madeira não foram na cantiga e, para além de o deterem por estar a caçar em zona proibida, ainda lhe acrescentaram mais uma acusação, a de corrupção activa, por tentativa de suborno a agentes da autoridade.
O caso passou-se anteontem de manhã durante uma operação de fiscalização rotineira daquela equipa da GNR, sedeada no Destacamento da Feira. A menos de 500 metros do complexo desportivo do Feirense, na freguesia de Sanfins, andava um indivíduo de caçadeira em punho, o que, de acordo com a Lei da Caça, é uma conduta punível com pena de prisão ou multa.
Abordado o caçador ilegal foi-lhe então explicado que o que estava a fazer era crime e que, para além de lhe ser apreendida a arma de caça e todas as munições na sua posse, teria ainda de os acompanhar ao posto, sob detenção. Visivelmente preocupado com a situação, que queria evitar a todo o custo, o industrial procurou fazer-se valer da sua situação económica para resolver a questão “sem mais burocracias.”
Teve azar e, na mesma hora, foi detido não por um, mas por dois crimes, um dos quais punível com pena de seis meses a cinco anos de cadeia.
Depois de passar pelas necessárias formalidades no posto da GNR, o indivíduo foi presente a primeiro interrogatório judicial no Tribunal de Santa Maria da Feira. Ouvido pelo juiz de instrução, o empresário foi restituído à liberdade, prestando Termo de Identidade e Residência, enquanto aguarda pelo julgamento.
OUTROS CASOS DE SUBORNO
DETIDO
Um agente da PSP do Porto, afecto à 15.ª esquadra, na Foz do Douro, foi detido no passado mês de Outubro pela Polícia Judiciária. O agente é acusado de ter tentado extorquir dinheiro a um automobilista, apanhado em flagrante a falar ao telemóvel.
200 EUROS
Um automobilista de nacionalidade ucraniana, que conduzia sob efeito de álcool, foi detido durante a madrugada de 5 de Agosto, em Lagoa, no Algarve. O homem tentou subornar os militares da patrulha da GNR com várias notas, no valor total de 200 euros.
BENS PESSOAIS
Um turista inglês de 25 anos foi detido em Lagos por resistência e coacção, injúrias e tentativa de suborno. Depois de ter vandalizado três carros estacionados com um canivete, o jovem queria ser perdoado a troco de todos os bens pessoais que trazia.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)