Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
6

Ingleses investigam 7 abusos sexuais antes de Maddie desaparecer

Aposta noutros casos, na zona da Luz, em 2007.
Miguel Curado 4 de Outubro de 2017 às 08:18
Maddie
Madeleine McCann
Kate e Gerry McCann
Apartamento de onde desapareceu Maddie McCann
Apartamento de onde desapareceu Maddie McCann
Apartamento de onde desapareceu Maddie McCann
Apartamento de onde desapareceu Maddie McCann
Maddie desapareceu em 2007
Maddie desapareceu em 2007 na Praia da Luz
Maddie desapareceu em 2007 na Praia da Luz
Maddie
Madeleine McCann
Kate e Gerry McCann
Apartamento de onde desapareceu Maddie McCann
Apartamento de onde desapareceu Maddie McCann
Apartamento de onde desapareceu Maddie McCann
Apartamento de onde desapareceu Maddie McCann
Maddie desapareceu em 2007
Maddie desapareceu em 2007 na Praia da Luz
Maddie desapareceu em 2007 na Praia da Luz
Maddie
Madeleine McCann
Kate e Gerry McCann
Apartamento de onde desapareceu Maddie McCann
Apartamento de onde desapareceu Maddie McCann
Apartamento de onde desapareceu Maddie McCann
Apartamento de onde desapareceu Maddie McCann
Maddie desapareceu em 2007
Maddie desapareceu em 2007 na Praia da Luz
Maddie desapareceu em 2007 na Praia da Luz
Quando já parecia definitivamente fechada, a investigação ao desaparecimento de Maddie McCann em 2007, na Praia da Luz, Algarve, reavivou às mãos da Polícia Metropolitana (Met) inglesa – e com um rumo bem definido. Os investigadores concentram-se em sete situações de abusos sexuais a menores reportadas na altura, naquela zona, e que chegaram à época a merecer a atenção das polícias portuguesas, nomeadamente da GNR, mas sem quaisquer resultados.

Na altura em que ocorreu o desaparecimento da menina do aldeamento Ocean Club, a 3 de maio, foram denunciadas às autoridades locais pelo menos sete situações concretas de abusos sexuais a crianças alojadas com familiares na mesma zona e em áreas envolventes.

Num desses casos, um pedófilo terá entrado mesmo numa habitação onde se encontrava a vítima menor, e masturbou-se à frente da mesma quando a criança estava deitada na cama.

A GNR, à época recetora desta e das outras seis queixas, comunicou-as à Polícia Judiciária. Foi possível concluir que pelo menos cinco situações terão ocorrido ainda antes do desaparecimento da menor. No entanto, nenhuma das situações chegou a ser usada como linha de investigação. Agora, dez anos depois, a Met quer reavivar este cenário até porque, segundo revela a imprensa britânica de ontem, os investigadores britânicos estão na posse de uma lista de 38 criminosos sexuais que foram identificados, na altura do desaparecimento da menor, nas imediações da Praia da Luz.

Terá sido com base nesta hipótese de investigação, neste momento a única ainda em aberto, que o governo de Theresa May aceitou doar mais 175 mil euros à investigação.

Scotland Yard
Quatro inspetores da Polícia Metropolitana de Londres, também conhecida como Scotland Yard, assumem agora, em exclusivo, a investigação ao desaparecimento de Maddie.

Operação Grange
A Operação Grange, nome que foi dado ao inquérito ordenado pelo ex-primeiro-ministro britânico David Cameron ao desaparecimento de Maddie McCann, já custou um total de 13,5 milhões de euros.

Prazo até março
A atual primeira-ministra, Theresa May, aceitou doar mais 175 mil euros à investigação, mas com uma condição: o inquérito deve terminar até março de 2018.

Desapareceu com 3 anos
Maddie McCann tinha 3 anos na noite em que desapareceu, a 3 de maio de 2007. A menina dormia com os dois irmãos gémeos, sozinhos no quarto.
Ver comentários