Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
1

IPO Porto com mais camas

O segundo piso da Unidade de Cuidados Continuados do IPO-Porto vai começar a funcionar em finais de Janeiro e integrar a Rede Nacional de Cuidados Paliativos.
14 de Dezembro de 2006 às 00:00
Laranja Pontes (IPO) e Vítor Veloso (LPCC)
Laranja Pontes (IPO) e Vítor Veloso (LPCC) FOTO: Baía Reis
Assim, a Unidade de Cuidados Continuados, com dois pisos, construída há mais de oito anos, vai dispor de 40 camas, quando até agora só um piso funcionou com 20 camas, num imóvel construído para o efeito pela Liga Portuguesa Contra o Cancro (LPCC).
“Os sucessivos ministros da Saúde não revelaram grande sensibilidade para o assunto”, lamentou Vítor Veloso, presidente do Núcleo do Norte da LPCC, que, na altura, desempenhava funções de director do IPO-Porto e que ontem oficializou com esta instituição a cedência da metade do edifício ainda por ocupar.
Laranja Pontes, director do IPO-Porto, confirmou o funcionamento dos cuidados continuados ao longo dos oito anos com as ajudas da Liga, da ordem dos 500 mil euros anuais, sublinhando que os elevados custos daquela valência do hospital atingem os 1,75 milhões de euros por ano.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)