Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
7

Irmão e advogada sacam quatro milhões e meio a empresário. PJ desmantela esquema milionário

Quatro pessoas detidas por furto qualificado, falsificação e contrafação de documentos, burla qualificada e branqueamento.
Correio da Manhã 21 de Outubro de 2020 às 13:57
Polícia Judiciária
Polícia Judiciária FOTO: CMTV

Dois homens e duas mulhres, com idades compreendidas entre os 37 e os 70 anos, foram detidos por fortes indícios da prática de ilícitos de furto qualificado, falsificação e contrafação de documentos, burla qualificada e branqueamento, avança a PJ em comunicado.

Em causa está o roubo de um vasto património mobiliário e imobiliário. O processo iniciou-se em 2017, altura em que o lesado, um empresário que já morreu, apresentou queixa contra dois dos suspeitos detidos, um dos quais irmão do queixoso. 

"Suspeitos vieram a apropriar-se do património do queixoso, vendendo uma pequena parte dele em benefício próprio, e transferindo o restante, de forma fracionada, através da celebração de contratos que titulavam a transmissão do direito de propriedade, para sociedades controladas por eles", esclarece Polícia Judiciária.

Para a concretização da apropriação dos bens, os suspeitos recorreram aos serviços de uma advogada - que se encontra entre os quatro detidos - "que procedia aos registos eletrónicos de autenticação dos atos, com menções especiais de que os representantes das sociedades do queixoso compareciam perante ela, quando não o faziam e nem sequer tinham conhecimento desses atos".

A PJ realizou também "buscas domiciliárias, procedendo à apreensão de dinheiro, vários imóveis e viaturas de gama alta, entre outros bens e objetos, provenientes da atividade criminosa, tudo avaliado globalmente em mais de quatro milhões e meio de euros".

Os quatro detidos foram presentes a primeiro interrogatório judicial, na sequência do qual lhes foram aplicadas as medidas de coação de apresenções periódicas às autoridades, proibição de contactos entre si e proibição de ausência para o estrangeiro.

 

PJ crime lei e justiça tribunal
Ver comentários