Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
9

Jorge Sampaio criticou banalização da violência

O Alto Representante da ONU para a Aliança de Civilizações, Jorge Sampaio, criticou hoje a banalização da violência que se tem verificado na última década e elogiou Lisboa como um exemplo de harmonia religiosa.
4 de Fevereiro de 2012 às 15:48
Jorge Sampaio, violência, religião, Alto Representante da ONU para a Aliança de Civilizações
Jorge Sampaio, violência, religião, Alto Representante da ONU para a Aliança de Civilizações FOTO: Sérgio Lemos

"Neste momento, em que todos dizem estarmos em crise, em que há depressão, em que há tristeza, é preciso valorizarmos as riquezas que temos", disse Jorge Sampaio, durante uma cerimónia que assinalou hoje o início da Semana Mundial da Harmonia Inter-Religiosa.

A Semana Mundial da Harmonia Inter-Religiosa foi instituída em Outubro de 2010 pela Assembleia-Geral da ONU como um tempo de harmonia entre todas as religiões, credos e crenças.

O ex-presidente da República revelou que nos últimos anos tem viajado por vários países e divulgou que, em qualquer sítio do mundo, lhe vem sempre à memória que, em Lisboa, há templos de diversas confissões e "é centenária a colaboração de várias práticas religiosas".

Segundo o alto-comissário, é necessário "percebermos que há diferenças em termos todo o talento e a paciência de ultrapassar desconfianças e ignorâncias".

"Somos um pequeno exemplo, mas de uma enorme importância. E temos que garantir essa riqueza, aperfeiçoá-la mesmo nos tempos de maiores dificuldades, em que cada um, com a sua educação, com a sua experiência, adquire uma importância muito decisiva", defendeu.

Jorge Sampaio realçou que as pessoas são inundadas diariamente com imagens de atentados, violências e outros confrontos sectários, "que redundam na banalização do mal".

"A banalização do mal, da violência e da incivilidade têm sido traços da última década. Mas não têm de continuar a ser. E está nas nossas mãos mudar o curso dos tempos. Mesmo que pareça muitas vezes praticamente impossível. Esta mudança é possível, é necessária e é urgente", destacou.

"As religiões têm um papel fundamental para a construção da paz e, infelizmente, são muitas vezes utilizadas para a guerra. Temos de aproveitar estes momentos de convivência sã para sabermos como é maravilhoso termos esta relação inter-religiosa e intercultural que só nos enriquece", disse, durante a sua intervenção, a Alta-Comissária para a Imigração e Diálogo Intercultural, Rosário Farmhouse.

Jorge Sampaio violência religião Alto Representante da ONU para a Aliança de Civilizações
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)