Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
4

Juiz dá pena suspensa

O Tribunal Judicial de Valongo aplicou ontem, em cúmulo jurídico, uma pena de três anos de prisão, suspensa por três anos, a um jovem de 21 anos alvo de 60 processos por condução de motos e carros sem carta. Multas no valor de 3675 euros em coimas completam a decisão judicial.
8 de Novembro de 2005 às 00:00
O arguido,Vitorino Jorge Leal Ferreira, natural de Sobrado, Valongo, acumulou as seis dezenas de processos, desde os 14 anos. No passado, e ao longo de sete anos, foi condenado e pagou algumas multas, prestou serviço comunitário, como coveiro, na junta de freguesia do Sobrado, e registou algumas condenações à revelia porque se encontrava em França, onde trabalhava na construção civil.
No decorrer da leitura da sentença o presidente do colectivo de juízes explicou ao jovem que, “durante três anos fica com a espada sobre a cabeça”, e acrescentou que a eventual reincidência do arguido determinará que a condenação a que for sujeito será agravada em três anos de prisão.
O juiz frisou ainda que esta pena única é provisória, na medida em que se aguardam outras condenações à revelia pelo mesmo motivo, já transitadas em julgado, que ditarão novo cúmulo jurídico.
“Quando entrei no tribunal estava cheio de medo. Graças a Deus estou livre deste pesadelo”, confessou o jovem ao CM garantindo que só conduzirá quando puder tirar a carta.
O advogado de defesa Fernando Moura afirmou que o seu arguido “foi punido como devia”, considerando “não fazer qualquer sentido que fosse para a cadeia”, defendendo ainda que se deveria descriminalizar a condução sem carta, punindo-a de outra forma.
Maria José Leal, mãe do jovem, confessou ser difícil saldar as dívidas, mas garantiu a concluir, que irão pagar tudo.
Ver comentários