Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
8

JÚLIO PEDROSA: É PRECISO IR MAIS LONGE

Júlio Pedrosa foi o último ministro socialista de um Governo que em ano e meio nomeou três pessoas para tutelar a Educação. O mesmo trabalho está agora a ser conduzido por dois sociais-democratas. A ambos aconselha prudência.
23 de Setembro de 2002 às 21:59
Correio da Manhã - Em que estado está o ensino superior?

Júlio Pedrosa - Estamos num ponto de viragem, em que é preciso tomar decisões com alguma rapidez. Uma fase que exige, sobretudo, prudência política e responsabilização das instituições.

- Como ultrapassar essa fase?

- Há muitas questões em aberto que é preciso esclarecer. A começar pela indefinição sobre o modelo de financiamento. Esse modelo tem de ser pensado para promover e premiar quem faz melhor gestão. Há claramente necessidade de mudanças profundas. Há que criar condições para haver nas instituições uma sede de gestão estratégica com comportamentos bem claros e transparentes. Também é preciso ir mais longe no processo de avaliação e acreditação dos cursos, introduzindo uma forma mais visível e perceptível pela opinião pública de publicitação dos resultados.

- Acreditação de mais cursos, quando se fala precisamente em acabar com algumas licenciaturas?

- Sou muito céptico sobre a necessidade de se fecharem cursos. Já houve no passado situações análogas e poucos anos depois verificámos que ficaram por satisfazer algumas necessidades. É preciso prudência.

- Há menos alunos no sistema...

- Tenho dificuldade em saber quais os critérios que vão ser utilizados para fechar cursos. Considero, porém, que devem ser dadas indicações às instituições sobre as necessidades de recursos humanos para que sejam elas a decidir. As instituições também têm de ser responsabilizadas pelo número de alunos que admitem aos cursos. Mas antes de se falar em encerramento, há muitas medidas que podem ser tomadas.

- Como por exemplo?

- Há outras formas de responder a problemas de emprego dos licenciados. A qualquer momento se pode mudar a estrutura dos cursos, a sua vocação e os objectivos a que se destinam.

- Usaria essa fórmula para abrandar o ritmo de licenciaturas na área da docência?

- No caso da formação de professores podem ser tomadas medidas para responder de forma mais moderada às necessidades. Temos que diminuir claramente o número de licenciados, mas também podemos alterar a estrutura do curso e formar outro tipo de professores.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)