Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
6

Ladra esconde notas na vagina

Uma funcionária do lar de idosos da Fundação Mariana Seixas, em Viseu, foi suspensa de funções e está a ser alvo de um processo disciplinar por suspeitas de ter roubado dinheiro e outros bens aos utentes da instituição. Foi apanhada e detida em flagrante pela PSP, momentos depois de ter tirado a um idoso 80 euros em notas de 20 – que logo a seguir escondeu na vagina.
17 de Março de 2009 às 21:00
FOTO: Ricardo Cabral

Os directores da Fundação Mariana Seixas, uma instituição de solidariedade social, cujos utentes são na sua maioria de famílias carenciadas, andavam intrigados e preocupados com a onda de furtos de que eram vítimas os idosos do lar.

Sabiam que tinham um ladrão entreportas, mas, como a instituição conta com muitos funcionários, 'era imperioso apanhá-lo em flagrante'. Assim, em consonância com a PSP, armaram uma cilada e apanharam-no. Era uma funcionária de limpeza, 44 anos de idade e 17 de casa, que mantinha um contacto 'muito directo' e uma 'relação de confiança' com os idosos.

Na terça-feira da semana passada, a suspeita ‘mordeu o isco’ e roubou notas de 20 euros que tinham sido fotocopiadas e colocadas de propósito junto aos bens de uma vítima. Segundo fonte policial, quando foi desmascarada, a mulher 'fez-se de vítima e disse ser incapaz de fazer tal coisa'.

Depois de muita insistência por parte dos polícias e responsáveis do lar, acabou por tirar as notas da vagina e entregar os 80 euros – apesar de ainda os ter tentado esconder debaixo de um tapete.

Um elemento da direcção da Fundação Mariana Seixas confirmou ao CM a detenção. 'Se, por um lado, é uma situação muito triste, por outro, sinto-me aliviado porque a onda de furtos que se verificou nos estava a deixar preocupados', disse, salientando que nos últimos meses 'desapareceram bens e dinheiro' dos utentes.

A suspeita acabou por confessar o crime. No entanto, a PSP continua as investigações para apurar o real número de furtos praticados.

PORMENORES

MULHER-POLÍCIA

Uma vez que a suspeita escondeu o dinheiro nas partes íntimas, os investigadores da PSP tiveram de pedir a comparência de uma agente policial.

CONSTITUÍDA ARGUIDA 

A mulher foi levada para a esquadra, onde foi interrogada e constituída arguida. Os factos foram comunicados ao Ministério Público.

PROCESSO RÁPIDO

Os responsáveis da Fundação esperam para breve resultados do processo disciplinar. Tudo aponta para a expulsão.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)