Liceu Passos Manuel faz 100 anos

O edifício do Liceu Passos Manuel, em Lisboa, por onde já passaram 70 mil estudantes, faz hoje 100 anos. A escola, recentemente remodelada, estará hoje aberta ao público e haverá um almoço para ex-alunos, com 500 inscrições. Amanhã, Adriano Moreira, ex-aluno, dará uma Lição de Honra. E ao longo do ano haverá diversas iniciativas.
09.01.11
  • partilhe
  • 2
  • +
Liceu Passos Manuel faz 100 anos
Edifício histórico da capital foi recentemente remodelado Foto Jorge Paula

Criado em 1836 por decreto do Ministro do Reino, Passos Manuel, o então Liceu Nacional de Lisboa passou por sete locais da cidade. A 9 de Janeiro de 1911 é inaugurado, já como Liceu Passos Manuel, o edifício na Travessa Convento de Jesus, após 24 anos de construção. Principal escola da capital, por lá passaram nomes como Cesário Verde, Mário de Sá Carneiro ou Miguel Bombarda. Mais recentemente, Catarina Furtado, de 38 anos, foi aluna do ‘Passos’, do 7.º ao 12.º ano. "Era um espaço inspirador, onde aprendi a ser uma cidadã interveniente", recorda ao CM, sublinhando "a variedade de estratos sociais". O jornalista Joaquim Letria, de 67 anos, lembra que tinha "colegas pobres" e outros que "iam todos os dias de Cadillac".

O liceu é sede do agrupamento de escolas Baixa-Chiado. "Não fazemos selecção, temos de tudo. Em 1050 alunos, metade tem Acção Social Escolar", disse ao CM o director, João Paulo Leonardo, sublinhando que depois da remodelação a escola ficou com boas "infra-estruturas tecnológicas ao nível de aquecimento, iluminação, comunicação e informática". Houve ainda a preocupação de conservar o mobiliário e espaços marcantes como a biblioteca, os antigos laboratórios ou o anfiteatro.

A traça original dos claustros também foi mantida. Catarina Furtado recorda que o liceu tinha "recantos propícios para namorar", embora confesse que os primeiros namoros começaram antes, "na preparatória e na primária". Já Joaquim Letria não teve a mesma sorte, porque no seu tempo o liceu era só para rapazes. Restava ir ali ao lado, à Calçada do Combro, até à escola D. Maria, exclusiva para raparigas. "Foi lá que conheci a minha primeira namorada, chamava-se Marina, era loira, de olhos azuis", conta o jornalista. O episódio mais engraçado de que Letria se lembra teve origem numa proibição de jogar à bola imposta pelo reitor. "Eu e mais três colegas pusémo-nos à porta do liceu a fazer crochet e o reitor Guerreiro Murta deu-nos 10 dias de suspensão". O jornalista lembra ainda colegas do Passos que se tornaram conhecidos, como o cientista António Damásio ou o ex-líder da Unita, Jonas Savimbi. "Era o único negro do liceu. Lembro-me que era um excelente jogador de basquetebol".

Catarina Furtado frequentava ao mesmo tempo o curso geral no Passos Manuel e a Escola de Dança do Conservatório. "Eu e um grupo de colegas traziamos a dança para as arcadas do Passos Manuel", afirma a actriz, que também se destacou no desporto. "Ganhei provas de corta-mato e mini-trampolim", diz Catarina, que seguiu as pisadas do pai, o jornalista Joaquim Furtado, também ele aluno do Passos Manuel.

Pelo liceu passaram também figuras como Jorge Sampaio, Carlos do Carmo, Miguel Portas ou os irmãos António Costa (autarca de Lisboa) e Ricardo Costa (jornalista). E ainda o historiador José Hermano Saraiva, que até nasceu no liceu, na casa do reitor, que era o seu pai.

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!