Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
5

LISBOA BATE RECORDE DO CONSUMO DE ÁGUA

O consumo de água na zona da Grande Lisboa bateu o recorde histórico no dia 1 deste mês, considerado o mais quente do ano, ao atingir os 700 417 metros cúbicos, segundo fonte da EPAL. Na cidade do Porto, o consumo também foi substancial nos primeiros dez dias do mês tendo aumentado em cerca de dez por cento em relação ao ano passado. Em média, a cidade Invicta consumiu cerca de 350 mil metros cúbicos por dia.
12 de Agosto de 2003 às 00:00
Estes consumos excessivos de água podem repetir-se já que o calor continua a apertar. Ontem, a temperatura subiu aos 43ºc em Santarém, a localidade mais quente do País.
Este ano, a média diária de consumo de água em Lisboa oscilou entre os 536 511 metros cúbicos em Janeiro e os 630 015 metros cúbicos em Julho, mês em que foram atingidos também valores muito elevados, com um pico de 687 757 metros cúbicos no dia 31.
O consumo médio dos primeiros dez dias do mês foi de 649 667 metros cúbicos nos concelhos de Lisboa, Oeiras, Sintra, Loures, Cascais, Mafra e Odivelas.
O ano passado, o consumo máximo atingido foi de 688 162 metros cúbicos no dia 17 de Julho.
O dia 1 foi considerado o mais quente do ano pela Protecção Civil, com as temperaturas a subirem aos 43 graus em Santarém, Setúbal, Beja e Évora, aos 42 em Portalegre, 41 em Castelo Branco e 40 em Lisboa. O Instituto de Meteorologia considera que as temperaturas dos últimos dias de Julho e primeira semana de Agosto são normais para a época, sendo contudo inusitado registar-se valores altos por tantos dias seguidos.
Ainda ontem, Santarém registou 43º, sendo a temperatura mais elevada do país, logo seguido pela Amareleja com 42,6º.
Acima dos 40 graus estiveram também as cidades de Beja, com 42º; de Évora, com 41º e de Portalegre, com 40º.
MAU TEMPO NOS AÇORES
Mas enquanto o Continente vive dias de aflição com o calor, os açorianos enfrentam outras partidas do tempo, designadamente do vento. De tal forma que a transportadora açoriana, Sata, viu-se obrigada a cancelar, ontem, os três voos que previa realizar para o Corvo. O mau tempo deixou inoperacional o aeródromo da mais pequena ilha do arquipélago.
O cancelamento dessas ligações deixou em terra, nas ilhas Terceira, Faial e Flores, cerca de 45 passageiros, segundo a companhia. A operação da Sata para o exterior decorre com normalidade, mas as outras ligações dentro do arquipélago registaram atrasos em consequência dos ventos e fraca visibilidade que se verificava nas ilhas desde o início do dia de ontem.
NÍVEIS DE OZONO SOBEM
Os níveis de poluição por ozono ultrapassaram ontem em Monte Velho (Santiago do Cacém) e em Coimbra valores a partir dos quais é obrigatória a informação à população.
A Direcção Regional do Ambiente e Ordenamento do Território (DRAOT) do Alentejo registou em Monte Chão, às 15 horas, uma concentração de 198 microgramas de ozono por metro cúbico de ar. O valor limite de concentração de ozono a partir do qual deve ser emitido um aviso à população é de 180 microgramas.
No Centro, as autoridades ambientais registaram em Coimbra, entre as 14 e as 15 horas, uma concentração de 188 microgramas por metro cúbico.
A poluição atmosférica causada pela concentração de ozono no ar pode prejudicar a saúde, sobretudo de crianças, idosos, asmáticos e pessoas com problemas alérgicos ou respiratórios.
A exposição a este poluente afecta as mucosas oculares e respiratórias.
Ver comentários