Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
7

Mãe de Alexandra: "Ninguém me ajuda, apenas me atiram lama"

Natália Savach Zarubina, mãe de Alexandra, menina que foi retirada à família de acolhimento portuguesa pelo Tribunal de Guimarães em 2009, acusou as autoridades russas de não prestarem qualquer tipo de ajuda à sua família.
20 de Novembro de 2011 às 17:38
Tribunal de Guimarães, em Maio de 2009, ordenou a entrega da criança à mãe, que a levou para a Rússia
Tribunal de Guimarães, em Maio de 2009, ordenou a entrega da criança à mãe, que a levou para a Rússia FOTO: Mariline Alves

"As autoridades locais devem ser as primeiras a ajudar, porque o Presidente não pode ajudar toda a gente. Ninguém me ajuda, apenas me atiram lama", queixou-se no programa ‘Última Palavra’, transmitido no sábado à noite no canal televisivo russo NTV.  

No programa, que tinha como tema "Não tem vergonha de ser pobre?", Natália Savach Zarubina declarou: "Não vivemos na miséria completa, mas vivemos numa vila onde não há emprego, só há alguns cafés para motoristas de longo curso e mais nada."  

"Agora não trabalho, frequento um curso. Não consigo emprego ora porque não tenho instrução, ora porque não tenho profissão, ora porque já não tenho idade", lamentou.  

A avó de Alexandra, Olga Zarubina, revelou que toda a família de seis pessoas vive com as reformas que ela e o marido recebem.  

"Eles quatro [Natália, marido e duas filhas] e eu e o meu marido vivemos das nossas reformas. Eu recebo por mês sete mil rublos (cerca de 170 euros) e o avô sete mil e quinhentos (cerca de 195 euros)", acrescentou.  

Natália Savach Zarubina disse também que não recebeu, nem recebe qualquer apoio de João e Florinda Pinheiro, família de Barcelos que acolheu a menina abandonada pela mãe.  

"Eles nunca me enviaram dinheiro. Apenas uma vez, há dois anos, no Ano Novo, para comprar prendas para a menina", frisou.  

Ao ser aconselhada a procurar emprego noutras regiões da Rússia, retorquiu: "Não vou deixar a família, as filhas e os meus pais idosos e ir trabalhar para outro lado. E onde vou viver?"  

"Se me ceder o seu apartamento em Moscovo, eu posso vir trabalhar para aqui!", rematou, dirigindo-se ao moderador do programa.  

Natália Savach Zarubina, cidadã russa que se encontrava ilegalmente em Portugal, entregou a sua filha de 17 meses à família Pinheiro, que a educou durante vários anos. Quando as autoridades portuguesas decidiram deportá-la, ela exigiu a devolução de Alexandra.   

O Tribunal de Guimarães, em Maio de 2009, ordenou a entrega da criança à mãe, que a levou para a Rússia.  

alexandra rússia natália zarubina pobreza
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)