Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
5

Mais atendimentos garantem salário maior

Os médicos que integrarem as cem Unidades de Saúde Familiar (USF), planeadas pelo Governo para este ano e cuja criação o CM noticiou em 2005, vão ser recompensados no final do mês em função de um maior número de doentes atendidos.
10 de Janeiro de 2006 às 00:00
A novidade foi divulgada ontem pelo coordenador da Missão para os Cuidados de Saúde Primários, Luís Pisco. Segundo o responsável, a principal diferença entre os actuais centros de saúde e as USF é precisamente o pagamento dos profissionais. As novas estruturas vão pagar mais aos médicos que tiverem um maior número de doentes na sua lista de atendimento. A alteração não significa, contudo, que a duração das consultas seja reduzida. De acordo com o coordenador, “o bom senso clínico” vai ser nota dominante em todo o processo.
Com a reformulação dos actuais centro de saúde, o Governo espera aumentar o acesso dos cidadãos às consultas, combater a falta de médicos de família e cobrir o atendimento de mais de dois milhões de portugueses.
“Não se trata de um milagre da multiplicação dos médicos”, salvaguarda Luís Pisco. Mas acredita, ainda assim, que cada USF possa vir a abranger entre quatro mil e 18 mil utentes, dispondo entre três e oito médicos por estrutura.
As novas USF têm na base da sua composição médicos, enfermeiros e administrativos que devem autopropor-se para assegurar a gestão das unidades. Dados do ministério indicam que a falta de médicos de família atinge actualmente mais de 750 mil portugueses.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)