Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
1

Mariscador morre

"Não é o meu homem. Só vendo o corpo é que acredito que ele se foi." A chorar convulsivamente, Maria Amália recebeu ontem a confirmação da triste notícia que já se adivinhava há vários dias. O corpo do companheiro, Francisco Dimas, foi encontrado pela manhã, no mesmo local onde o mariscador havia desaparecido na quinta-feira, enquanto apanhava amêijoas na costa da praia fluvial do Bico do Mexilhoeiro, no Barreiro.

27 de Dezembro de 2011 às 01:00
Enteado, companheira e amigo de Francisco, inconsoláveis com a notícia da morte deste
Enteado, companheira e amigo de Francisco, inconsoláveis com a notícia da morte deste FOTO: Sérgio Lemos

"Ficou preso num buraco. Com o nevoeiro ficou desorientado e a maré acabou por levá-lo", contou Álvaro, enteado do falecido de 52 anos, cantoneiro de profissão que apanhava amêijoas, com as mãos, para conseguir ganhar algum dinheiro extra.

As buscas para encontrar vestígios de Francisco duravam há já quatro dias, sem resultado. Ontem de manhã, com a maré muito vaza, o corpo do mariscador foi encontrado, depositado num fundão. Tinha consigo um objecto que o identificou de imediato, e não deixou dúvidas à família – as chaves de casa, guardadas num dos bolsos das calças.

"Um amigo que viu o corpo na praia disse que ele só tinha um rasgão na face, além dos olhos vermelhos. Foi para um lugar melhor", desabafou o enteado, com tristeza no olhar.

Na quinta-feira, o mariscador foi visto pela última vez cerca das 18h30, pelo colega que o acompanhava na apanha da amêijoa. Este abandonou as águas do Tejo devido ao cerrado nevoeiro que se abateu sobre a zona. Depois de sair, ainda chamou por Francisco, mas já não obteve qualquer resposta por parte do homem preso num fundão. O corpo de Francisco Dimas irá a enterrar na sua terra natal, em Moura.

MORTE ÓBITO MARISCADOR BARREIRO
Ver comentários