Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
6

Matadouro com brucelose

Funcionários do matadouro de Leiria contraíram brucelose no local de trabalho por contacto com animais doentes. O caso está a ser investigado pela Delegação de Saúde Pública, que para já diz não existir risco para os consumidores.
16 de Maio de 2006 às 00:00
 As instalações onde os funcionários foram contagiados
As instalações onde os funcionários foram contagiados FOTO: Cláudio Garcia
Nas instalações há abates para consumo e abates sanitários (animais doentes cuja carne e carcaça são destruídas). O foco de contágio não está determinado, mas sabe-se que ovelhas infectadas pela bactéria da brucelose foram abatidas já este ano no matadouro. O contacto com sangue e excreções dos animais é uma das formas de transmissão da doença.
O caso foi detectado há um mês. Um trabalhador esteve internado no hospital da cidade e pelo menos outros três revelaram sintomas (febre, dores musculares e calafrios). Hoje são conhecidos os resultados do rastreio aos 70 trabalhadores. Jorge Costa, delegado de Saúde Pública, acha que é necessário sensibilizá-los para utilizarem sempre luvas e máscaras. Esta semana está agendada uma vistoria.
O administrador do matadouro, Luís Gomes, garantiu ontem que a situação “está controlada”, mas reconhece falhas e promete retirar conclusões.
Ver comentários