Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
2

MATOU MULHER À ENXADADA

Um homem de 67 anos é suspeito de ter assassinado a mulher com golpes de enxada na noite de terça-feira, numa barraca situada num terreno de cultivo na zona do Choupal, em Coimbra, revelaram ontem as autoridades, que detiveram o indivíduo.
1 de Julho de 2004 às 00:00
O casal desavindo vivia nesta casa nos arredores de Coimbra
O casal desavindo vivia nesta casa nos arredores de Coimbra FOTO: Carlos Jorge Monteiro
A agressão teve lugar no lugar de Remolhas, perto do canil municipal de Coimbra, no interior de uma arrecadação usada pelo casal para guardar as ferramentas utilizadas nos trabalhos agrícolas, ao que se presume em consequência de desavenças habituais.
Maria Morais da Silva, de 64 anos e José Mendes da Cruz passaram o dia de terça-feira a trabalhar no campo como habitualmente acontecia.
Ao início da noite, o presumível criminoso, depois de agredir a mulher, telefonou ao seu filho a contar que tinha “batido na mãe”.
Após ter recebido o telefonema do pai, José Morais da Cruz ficou preocupado e deslocou-se ao local, onde encontrou a mãe já sem vida, tendo avisado as autoridades, pelas 21h30.
O casal, residente em Casas Novas, Coimbra, tinha cinco filhos (quatro mulheres e um homem), mas as relações familiares não eram as melhores.
Segundo testemunhos de vizinhos, “só o filho é que se dava bem com os pais e ajudava no campo”. “Tudo isto por questões de partilhas de terrenos”, acrescentaram.
Apesar de conhecerem os dois idosos, os moradores da rua Américo Dinis sublinham que “não eram pessoas de grandes falas, porque saíam de manhã para o campo e só voltavam à noite”. O trabalho agrícola era a fonte de sustento do casal que, afirmam os populares, “passava dias inteiros no campo sempre a trabalhar”.
As relações entre o casal “já não andavam bem há muito tempo”. Para uma vizinha, que preferiu manter o anonimato, “ele sempre foi muito mau para ela”.
“Já tinha estado internada no hospital depois de uma sova que ele lhe deu”, recorda.
Chocados com o que aconteceu, os populares lamentam a situação que ninguém acreditava poder vir a acontecer. No entanto, sublinham, não sabem como é que “a Maria aguentou tanta pancada ao longo destes anos”.
TRATAMENTO PSIQUIÁTRICO
O presumível homicida, José Mendes da Cruz, foi presente ontem de manhã a Tribunal. Vai aguardar julgamento em prisão preventiva no Estabelecimento Prisional de Coimbra.
Segundo informação recolhida junto da PSP, “o indivíduo vai ser também sujeito a tratamento psiquiátrico”. O funeral de Maria Morais da Silva realiza-se hoje, às 15h00, da igreja de São Martinho do Bispo, Coimbra, para o cemitério local.
Ver comentários