Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
7

Milhares em risco

Entre 15 mil e 22 mil portugueses podem ser repatriados caso o Canadá mantenha a política de maior rigor com a imigração. O processo já está em marcha e várias famílias ilegais receberam ordem de repatriamento.
23 de Março de 2006 às 00:00
Toronto é a cidade canadiana onde a comunidade de portugueses é mais extensa
Toronto é a cidade canadiana onde a comunidade de portugueses é mais extensa FOTO: David Lucas/Reuters
Na próxima segunda-feira, a família Ferreira, um dos casos de ilegais noticiados pelo jornal canadiano ‘Toronto Star’, irá embarcar de avião para Portugal. Segundo apurou o CM, no mesmo avião virão mais portugueses expulsos.
A notícia de expulsão de portugueses coincide com a publicação de um anúncio da embaixada do Canadá, em Lisboa, em que se apela à inscrição dos seus cidadãos na representação diplomática. No anúncio (ver página 37) lê-se “o Governo do Canadá informa os seus cidadãos que se devem inscrever na embaixada do Canadá a fim de poderem ser contactados em situação de emergência”.
Ontem, alguns dos portugueses que vão ser repatriados foram ouvidos na Casa das Beiras, em Toronto, pelo deputado liberal (oposição) de origem portuguesa, Mário Silva. O actual Governo conservador abandonou o plano de amnistia desenvolvido pelos liberais. Laurentino Esteves, representante do conselho permanente das Comunidades Portuguesas, disse que a Coligação de Trabalhadores Não Documentados estima que 15 a 22 mil portugueses poderão vir a ser repatriados.
PEDIDO SÓ EM PARIS
O embaixador de Portugal em Otava, João Silveira Carvalho, explicou que o problema tem origem no facto de os portugueses partirem como turistas e depois ficarem no Canadá. “Para os canadianos isso é contrário com a lei. A imigração só é possível depois de um pedido efectuado fora do Canadá.”
Laurentino Esteves acrescentou que sindicatos e associações de imigrantes tentam que o Governo opte por uma decisão humanitária perante milhares de portugueses que emigram por dificuldades económicas e que para efectuarem esse pedido têm de se deslocar a Paris.
A antiga secretária de Estado Manuela Aguiar recordou que a solução encontrada na década de 80 foi os portugueses virem a Portugal e depois efectuarem o pedido.
192 PROCESSOS RECUSADOS
O secretário de Estado das Comunidades, António Braga, divulgou que “no caso dos portugueses pode dizer-se que em 2004/05 foram recusados 406 processos e que em 2005/06 tudo aponta que rondará a mesma grandeza, uma vez que já há 192 processos recusados”.
António Braga sublinhou à agência Lusa que este “não é um processo dirigido contra os portugueses, mas decorrência de uma lei com cerca de dez anos”.
No âmbito dessa lei os “cidadãos estrangeiros iniciam um processo de legalização que percorre várias etapas de avaliação e que dura, em regra, dois a três anos”. Evocar perseguição religiosa em Portugal ou pedidos de asilo político foram algumas das causas para o chumbo dos processos.
NÚMEROS PORTUGUESES NO CANADÁ
506 000 - Portugueses e luso-descendentes no Canadá*
15 000 - Ilegais que trabalham no sector da construção
192 - Associações da comunidade portuguesa
14 - Órgãos de Comunicação das comunidades
4 - Consulados em Otava, Montreal, Vancouver e Toronto
1 - Deputado federal: Mário Silva, luso-descendente
*Dados de 2003
Ver comentários