Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
3

Militar que perdeu as pernas em missão na República Centro-Africana vai ter alta

Aliu Camará foi um dos 24 condecorados por missão em África.
Sara G. Carrilho 24 de Outubro de 2019 às 08:59
Soldado Aliu Camará recebeu condecoração pela missão na República Centro-Africana, onde ficou gravemente ferido
Aliu Camará durante uma missão
Tenente médica Diana Vila Chã
1º Sargento Ricardo Coelho
Major Tiago Albuquerque
Soldado Aliu Camará recebeu condecoração pela missão na República Centro-Africana, onde ficou gravemente ferido
Aliu Camará durante uma missão
Tenente médica Diana Vila Chã
1º Sargento Ricardo Coelho
Major Tiago Albuquerque
Soldado Aliu Camará recebeu condecoração pela missão na República Centro-Africana, onde ficou gravemente ferido
Aliu Camará durante uma missão
Tenente médica Diana Vila Chã
1º Sargento Ricardo Coelho
Major Tiago Albuquerque
Internado há quatro meses, desde que um acidente de viação numa operação na República Centro-Africana obrigou à amputação das pernas, o soldado Aliu Camará foi um dos 24 militares da 5ª Força Nacional Destacada naquela missão da ONU condecorados esta quarta-feira, no Ministério da Defesa, pelos seis meses no país em conflito. O militar comando poderá ter alta para a semana.

Foi a primeira aparição pública do militar desde que ficou ferido a 15 de junho. Recebeu a Medalha da Cruz de São Jorge. "Era comandante da equipa que foi para o local. Tivemos de montar um perímetro na zona e extrair o Camará. Os homens portaram-se muito bem, conseguimos retirar o Camará o mais rapidamente. Foi difícil mas treinamos todos os dias para enfrentar aquelas situações", disse o sargento Ricardo Coelho.

"O que aconteceu com o soldado Camará foi o momento mais complicado. Depois, foi preciso fazer uma manutenção da moral e bem-estar da tropa para continuar", contou o major de Infantaria Tiago Albuquerque.

O soldado não foi esquecido nos discursos oficiais: o ministro da Defesa, que condecorou os militares, destacou a "resiliência que todos souberam manter e que o soldado Camará demonstrou nos meses de recuperação".

E o almirante Silva Ribeiro, Chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas, referiu que "as condições exigiram um forte espírito de missão e sacrifício bem visível no soldado Camará", sob o olhar atento do militar, abraçado por todos os camaradas no final.

DEPOIMENTOS
Tenente médica Diana Vila Chã
Elemento da equipa médica da missão
"Acidente marcou militares"
"O acidente com o soldado Camará foi o mais marcante para qualquer militar desta força. Uma situação crítica, mas que, felizmente, com o elevado espírito de corpo e competência de todos os militares teve a melhor resolução possível."

1º Sargento Ricardo Coelho
Comandante de equipa dos Comandos
"Sentiam-se seguros"
"Via-se na cara da população que sentiam a segurança, que sentiam que iam dormir descansados quando estávamos perto, sem se preocuparem com grupos armados, nem que a meio da noite alguém lhes entrasse pela casa e violasse a mulher ou as crianças."

Major Tiago Albuquerque
Oficial de informações
"Obstáculos ultrapassados"
"Foram seis meses com algumas complicações dentro do expectável, mas todos os obstáculos foram ultrapassados e os objetivos cumpridos com sucesso. Mesmo com tudo o que aconteceu, as forças tiveram e continuaram a operar apesar da forte baixa psicológica."
Ver comentários