Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
7

Misericórdias para acabar com esperas

O presidente da União das Misericórdias Portuguesas (UMP), Manuel Lemos, defendeu ontem, no Porto, que “as Misericórdias têm capacidade para acabar com as listas de espera para cirurgia no Norte”.
1 de Junho de 2007 às 00:00
Norte servido de hospitais
Norte servido de hospitais FOTO: António Rilo
“No Sul não temos hospitais que cheguem para as necessidades, mas no Norte as condições estão criadas, basta que a Administração Regional de Saúde do Norte (ARS/N) agilize a sua tramitação burocrática”, afirmou.
Manuel Lemos, que falava à Lusa à margem do VII Congresso Nacional das Misericórdias, que hoje se inicia em Braga, sob o lema ‘Modernidade e boas práticas’, considerou que a agilização do processo burocrático na ARS/Norte permitiria “não só acabar com as listas de espera existentes, mas também evitar a formação de novas listas”.
“A ARS/Norte deve facilitar o acesso dos cidadãos à saúde”, frisou o responsável, sustentando que “é precisamente nas cirurgias, onde há maiores listas de espera, que as Misericórdias têm maior capacidade de resposta, nomeadamente na cirurgia vascular, oftalmologia e apêndice”.
Manuel Lemos defendeu que as Misericórdias têm capacidade para, com as Unidades de Saúde Familiar, aumentar a oferta de cuidados de saúde primários, permitindo assim suprir a falta de médicos de família.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)