Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
6

MOMENTOS DE MEDO

Manuel Dias, nascido e residente em Portimão, recorda-se bem do violento sismo que abalou o Algarve no dia 28 de Fevereiro de 1969.
4 de Janeiro de 2004 às 00:00
- Correio da Manhã - Que recordações guarda do terramoto de 1969?
Manuel Dias - Foram obviamente momentos de receio e medo os que se viveram naquela altura. Era noite e eu, tal como a maior parte das pessoas, estava deitado quando se deu o terramoto. Durante alguns minutos, tudo tremeu de forma muito violenta; parecia mesmo que a casa vinha abaixo. Na cidade de Portimão, as pessoas fugiram para a rua em pânico, muitas das quais descalças e de pijama, até porque havia o risco de se registarem réplicas.
- Muitas pessoas refere m que o sismo foi antecedido por um forte ruído vindo do mar, é verdade?
- Sim, pouco antes do terramoto foi ouvido um barulho intenso proveniente do mar, o que provavelmente resultou do facto do epicentro do sismo estar localizado no Atlântico, ao largo de Sagres. Para além disso, muitas pessoas foram despertadas pela agitação dos animais, nomeadamente o uivar dos cães, os quais certamente pressentiram o que ia acontecer. Recordo--me que estava uma noite magnífica de Fevereiro, sem chuva e com uma temperatura agradável.
- Que consequências teve o abalo, quer em termos de danos pessoais quer materiais?
- Não me lembro de ter havido danos pessoais muito significativos. Penso que se registaram somente alguns feridos ligeiros e nada mais. Situação diferente diz respeito aos danos materiais, dado que as consequência foram bem mais nefastas. Houve prédios que sofreram estragos muitos consideráveis, nomeadamente derrocadas. Para além disso, muitas casas ficaram com as paredes e tectos rachados, enfim, por todo o lado eram bem visíveis os efeitos do violento terramoto. Na Praia da Rocha, junto ao Hotel da Rocha, o chão chegou inclusive a abrir uma brecha.
- Nesse tempo, como é que a população foi acompanhando o evoluir da situação?
- As pessoas agarram-se sobretudo ao rádio, dado que, naturalmente, era o meio de comunicação mais popularizado e com maior actualidade noticiosa. Todos tínhamos a curiosidade de saber o que se passara no resto do País e, em particular, no Algarve.
- Receia voltar a viver uma situação semelhante?
- Claro que sim. Segundo dizem os especialistas, parece ser um dado seguro que, mais tarde ou mais cedo, a região algarvia deverá vir a sofrer um grande abalo sísmico. O que eu penso é que um terramoto semelhante ao de 1969 terá provavelmente consequências ainda mais graves, porquanto há por aí grande número de prédios degradados e que não aguentarão um sismo daquela magnitude. Por outro lado, quando este tipo de situação se verifica no período nocturno, aumenta o risco de haver vítimas, dado que praticamente todas as pessoas estão em casa.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)