Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
7

Moradores de Beja chocados com triplo homicídio

O choque e a consternação marcam os rostos de dezenas de pessoas que esta terça-feira estão concentradas junto ao Tribunal de Beja, onde vai ser ouvido o homem suspeito de ter matado a mulher, filha e a neta de quatro anos.
14 de Fevereiro de 2012 às 16:52
Francisco Esperança matou a mulher, a filha e a neta
Francisco Esperança matou a mulher, a filha e a neta FOTO: Hugo Rainho

"As pessoas estão chocadas. Foram logo três mortes, uma delas uma menina de quatro anos", disse à Agência Lusa Agostinha Pires, de 53 anos, reconhecendo que o triplo homicídio tem sido "o assunto do dia em Beja".

Num caso que domina as conversas na cidade, Agostinha Pires é uma das várias dezenas de pessoas concentradas hoje à tarde junto ao Tribunal Judicial de Beja para poderem assistir à chegada do suspeito, um homem de 60 anos. "Ainda estou em choque. Não quero acreditar. Quando soube do que aconteceu fiquei em pânico", disse à Lusa Celeste Magalhães, de 64 anos, outra das pessoas que se encontra junto do tribunal, localizado no centro da cidade de Beja. "Quero ver se vejo a cara dele para ver se tem cara de arrependimento", disse.

Moradora perto da loja de uma das vítimas, a mulher do suspeito, Celeste Magalhães afiançou que "nunca na vida esperava uma tragédia destas em Beja, principalmente naquela família". "Na cidade está tudo parvo", desabafou.

Luís Barnabé, proprietário de uma pastelaria situada em frente à loja, confessou-se "muito chocado", referindo que a única imagem que tem na cabeça é a da criança, que o tratava como avô. "Ainda tenho a imagem da última vez que ela entrou na pastelaria. Disse avô Luís, avô Luís, fugiu e eu, em jeito de brincadeira, fui atrás dela até à loja da avó", lembrou.

Na vivenda onde ocorreu o triplo homicídio foram hoje colocadas três rosas brancas em cima do muro de entrada, em memória das vítimas. As autópsias médico-legais aos corpos das vítimas do triplo homicídio vão ser realizadas durante a tarde de hoje no Gabinete Médico-Legal da cidade.

O homem de 60 anos suspeito de ter matado a mulher, filha e neta e que foi detido na segunda-feira à noite, na sua casa, em Beja, onde foram encontrados os cadáveres das vítimas, está nos calabouços da PSP local. O suspeito aguarda ser presente ao Ministério Público para primeiro interrogatório judicial e pela aplicação de medidas de coacção, mas sabe-se que só ocorrerá amanhã.

Fonte policial avançou hoje à Agência Lusa que os crimes terão sido cometidos "na terça-feira à noite" da semana passada e que o alegado autor do triplo homicídio também "matou todos os animais" domésticos que tinha em casa, nomeadamente "um gato". Segundo a mesma fonte, após ter cometido os crimes, o homem terá feito aparentemente "uma vida normal", uma vez que foi visto várias vezes nas ruas da cidade.

O suspeito, um antigo bancário, que já tinha cumprido pena de prisão por um desfalque que deu no banco onde trabalhava, "é o principal e o único suspeito de ter matado a mulher, a filha e a neta", disse à Lusa o comandante da PSP de Beja, superintendente Viola da Silva.

"Viviam todos lá em casa, ele é que lá estava dentro, fechado com elas mortas, portanto é o principal e o único suspeito de ter matado a mulher, a filha e a neta", afirmou Viola da Silva.

O suspeito do triplo homicídio entregou-se na segunda-feira, por volta das 19h40, à PSP, sem oferecer qualquer resistência. Os elementos policiais, após a detenção, entraram na casa, onde encontraram os cadáveres da mulher, de 53 anos, da filha, de 28, e da neta, de quatro.

beja homicídio psp catanda mulher filha neta francisco esperança
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)