Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal

Morreu após ter alta na Urgência de Portalegre

Uma mulher de 72 anos, com um longo historial clínico devido a insuficiências respiratórias, entrou em coma no passado dia 17, uma hora depois de ter tido alta nas Urgências do hospital de Portalegre. Dalila Rita acabou por falecer na madrugada de ontem numa cama daquela unidade hospitalar.
26 de Março de 2008 às 00:30
O historial clínico de Dalila, de 72 anos, é sobejamente conhecido no hospital. Nos últimos meses recorreu várias vezes às Urgências
O historial clínico de Dalila, de 72 anos, é sobejamente conhecido no hospital. Nos últimos meses recorreu várias vezes às Urgências FOTO: direitos reservados
O médico que deu alta à idosa é acusado de negligência pela família da mulher que apresentou ontem uma queixa ao Serviço Nacional de Saúde para apurar responsabilidades. 'Os médicos, sobretudo o que lhe deu alta, o internista Miguel Roseta, que pertence a uma equipa que vem de Lisboa, estavam mais interessados em ver o jogo do Sporting na televisão do que assistir a minha mãe. Depois do médico que a recebeu nas Urgências ter dito que ficava em observação até à manhã seguinte porque estava com falta de oxigénio, o internista disse que estava despachada', disse a filha Leonor Artur depois de ter formalizado a queixa no livro amarelo por considerar que a mãe 'morreu por falta de assistência'.
Contactada pelo nosso jornal fonte da administração do hospital referiu que será levantado um inquérito para averiguar o caso.
Dalila Rita entrou na Urgência pelas 15h15 do dia 17 e esteve sete horas a receber soro e oxigénio. Pelas 22h00 foi-lhe dada a alta. A filha levou a doente numa cadeira de rodas para o carro e transportou-a para casa, em Reguengos, nos arredores de Portalegre. Por volta das 23h00 recebeu uma chamada do pai a dizer que a progenitora tinha desfalecido. 'Tanto os bombeiros como o INEM foram rápidos a chegar junto da minha mãe que, segundo eles, tinha entrado em paragem cardiorrespiratória. O coração voltou a bater com as reanimações mas ela nunca mais recuperou os sentidos', disse a filha ao CM.
Dalila Rita entrou já em coma nas Urgências, onde foi recebida pela mesma equipa que lhe tinha dado alta uma hora antes. 'Os médicos nem sequer falaram connosco porque alegaram que os ânimos estavam exaltados', lembrou. Ontem, pelas 04h30, a doente acabou por falecer nos cuidados intensivos do Hospital de Portalegre.
QUEIXAS
ASSITÊNCIA
De acordo com a filha da falecida, enquanto os médicos viam o jogo entre o Sporting e o Nacional os poucos doentes que estavam nas Urgências eram atendidos por uma médica.
REGRESSO
Quando a doente voltou à Urgência, uma hora depois de lá ter saído, o médico que deu a alta foi abordado pela família. 'Foi para dentro e nunca mais saiu. Quem falou foi um enfermeiro', acrescentou Leonor.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)