Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
6

MORTOS A TIRO DE CAÇADEIRA

Um casal de funcionários de um centro de inspecção automóvel foi morto, ontem à tarde, com tiros de caçadeira disparados à queima-roupa na zona portuária de Praia da Vitória, na ilha Terceira, Açores. Os corpos de Paula Ferreira, de 30 anos, e de Aires Salvador, de 45, foram encontrados pela mãe da mulher, que, preocupada com um atraso, se deslocou ao local de trabalho de ambos.
19 de Dezembro de 2002 às 00:00
Perante o choque da população local, o presumível autor dos disparos foi detido pela Polícia Judiciária. Tem 47 anos e é o antigo companheiro de Paula Ferreira, de quem tem uma filha menor.

Segundo alguns vizinhos contactados pelo CM, uma discussão entre o alegado homicida e a vítima sobre o pagamento da pensão à criança terá estado na origem do crime, que chocou a pacata ilha açoriana. “Ela tinha uma acção em tribunal contra ele, que o impedia de viajar. Ele estava desempregado e já tinha exigido que ela retirasse a queixa, mas ela nunca acedeu”, afirmou um morador de Praia da Vitória. De acordo com Margarida Ferreira, mãe da vítima, a sua filha e o companheiro sabiam das ameaças. Aliás, Aires Salvador, temendo que o suspeito cumprisse as ameaças, terá dito à mãe de Paula Ferreira, na noite do crime, que os deveria procurar se não voltassem do trabalho até às 20h00. E ontem, preocupada com o atraso do casal, Margarida Ferreira deslocou-se de táxi às instalações da Controlauto - empresa responsável pelas inspecções periódicas aos automóveis.

Ao chegar, encontrou os corpos estendidos no chão junto a uma das portas do edifício. Estavam mortos há meia hora. A avaliar pelos ferimentos, as duas vítimas terão sido atingidas à queima-roupa: Paula Ferreira no pescoço e Aires Salvador no peito. Menos certezas existem sobre a arma do crime, desconhecendo-se, para já, se foi ou não recuperada pela PJ – que, através da directoria de Angra do Heroísmo e da Brigada de Homicídios de Ponta Delgada, está a investigar o caso.
Paula Ferreira e Aires Salvador, ambos empregados de limpeza, residiam no Bairro de Santa Rita, uma zona degradada de Praia da Vitória, referenciada pela PSP como geradora de alguns “problemas familiares e de toxicodependência”.

Vários residentes prestaram declarações à PJ sobre as circunstâncias em que ocorreu o crime. Um pastor, que tratava das suas vacas, diz ter visto um carro de cor escura estacionado junto às instalações da Controlauto, mas não conseguiu ver qualquer ocupante.

Por seu lado, Paulo Silva, mecânico, encontrava-se a trabalhar à hora em que foram feitos os disparos. “Ouvi os tiros e pensei que andava alguém a caçar por aí, como acontece às vezes. Nunca me passou pela cabeça que estivessem a matar pessoas”, disse.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)