Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
9

CGTP diz que Governo deu novo passo na escalada contra o direito à greve

Governo decretou esta segunda-feira uma requisição civil.
Lusa 12 de Agosto de 2019 às 21:09
As imagens do primeiro dia de greve dos motoristas
As imagens do primeiro dia de greve dos motoristas
Greve dos motoristas
As imagens do primeiro dia de greve dos motoristas
As imagens do primeiro dia de greve dos motoristas
Greve dos motoristas
As imagens do primeiro dia de greve dos motoristas
As imagens do primeiro dia de greve dos motoristas
Greve dos motoristas

A CGTP considerou esta segunda-feira que o Governo "deu um novo passo na escalada contra o direito à greve" ao decretar a requisição civil para a paralisação dos motoristas de mercadorias e matérias perigosas que começou esta segunda-feira por tempo indeterminado.

"A pretexto das características da greve em curso no setor de mercadorias perigosas, o Governo deu um novo passo na escalada contra o direito à greve, com o anúncio da requisição civil", avançou a intersindical em comunicado.

A central sindical liderada por Arménio Carlos considera que a requisição civil "não contribui para resolver o problema existente" e "estimula os partidos da direita e o grande patronato a reclamar a alteração da lei da greve para acentuar a exploração e as desigualdades e condicionar a luta dos trabalhadores".

"O momento que vivemos exige menos exposição mediática e mais responsabilidade social das partes envolvidas, para encontrar uma solução negociada, que respeite e valorize os direitos dos trabalhadores do setor e responda às necessidades das populações", defende ainda a CGTP.

Para a intersindical, o Governo "tornou-se cúmplice do patronato ao permitir que várias empresas violassem reiteradamente direitos dos trabalhadores, perante a inoperância da ACT [Autoridade para as Condições do Trabalho] para assegurar a aplicação dos conteúdos valorativos da convenção coletiva celebrada pela Fectrans para os trabalhadores do setor de mercadorias".

A Fectrans -- Federação dos Sindicatos dos Transportes e Comunicações, filiada na CGTP, não se juntou à greve e mantém-se nas negociações sobre o contrato coletivo de trabalho com a Antram.

A greve foi convocada pelo Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) e pelo Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM), tendo-se também associado à paralisação o Sindicato dos Trabalhadores de Transportes Rodoviários e Urbanos do Norte (STRUN).

O Governo decretou serviços mínimos entre 50% e 100% e declarou crise energética e hoje decretou a requisição civil dos motoristas em greve, alegando incumprimento dos serviços mínimos.

CGTP Governo Fectrans trabalho greve economia negócios e finanças conflitos laborais transportes
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)