Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
6

MP pede 20 anos para pai de juíza

Não se arrependeu nem se vai arrepender. O arguido considera a morte do Cláudio como um desfecho natural de um enredo que durou três anos." Sustentando as alegações finais com a frieza de Ferreira da Silva – acusado de matar o ex-genro com a neta ao colo, no parque da Mamarrosa, Oliveira do Bairro, no ano passado – o procurador do Ministério Público pediu ontem, no Tribunal de Anadia, uma pena não inferior a vinte anos de cadeia para o arguido.

20 de Novembro de 2012 às 01:00
anadia, pena, engenheiro, MP, juíza, ferreora da silva, mamarrosa
anadia, pena, engenheiro, MP, juíza, ferreora da silva, mamarrosa

O MP alega ainda que Ferreira da Silva não agiu em legítima defesa e actuou em conjunto com a filha, a juíza Ana Joaquina, na tentativa de criar cada vez mais problemas ao relacionamento entre a filha daquela e a vítima, o advogado e também pai da criança, Cláudio Mendes. "A magistrada seguiu a via do direito, com uma acção de regulação do poder paternal. O arguido seguiu a via da violência, colocando o revólver à cintura com seis balas pronto a disparar", referiu ainda o procurador, que pediu também que Ferreira da Silva passe a estar em prisão preventiva – o engenheiro homicida está em prisão domiciliária.

O advogado da família de Cláudio Rio Mendes foi mais longe e pediu 25 anos de cadeia para o arguido. Enquanto o filme do homicídio foi exibido, o causídico tentou mostrar que Ferreira da Silva não se mostrou incomodado com o crime que cometera. "Depois dos disparos, apenas disse ‘acabou’, por cinco vezes", sustentou o advogado.

As alegações finais de Celso Cruzeiro, advogado do arguido, estão marcadas para hoje.

anadia pena engenheiro MP juíza ferreora da silva mamarrosa
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)