Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal

Mulher acusada de matar duas filhas bebés confessa em tribunal que as abraçou até deixarem de chorar

Jovem responde por dois crimes de homicídio qualificado e dois crimes de profanação de cadáver.
Paulo Jorge Duarte e Lusa 14 de Setembro de 2021 às 12:09
A carregar o vídeo ...
Mulher que matou as filhas recém-nascidas em Espinho julgada hoje

A mulher acusada de asfixiar duas filhas bebés, em Espinho, em Janeiro de 2020, confessou, esta manhã de terça-feira, perante o coletivo de juízes do tribunal da Feira, que escondeu a gravidez da família e do companheiro mas afirmou que não as asfixiou. No entanto, afirmou que apenas abraçou as duas bebés até que deixaram de chorar.

"Matá-las nunca foi a minha intenção. Nunca julguei ser capaz de uma coisa dessas", disse a arguida, que está acusada de dois crimes de homicídio qualificado e outros dois de profanação de cadáver.

A mulher, que admitiu ter escondido a gravidez do companheiro, de quem tem dois filhos menores, e da restante família, disse que entrou em trabalho de parto na casa de banho da sua habitação, em Espinho.

Após ter dado à luz as duas crianças, a arguida disse que ficou sentada na sanita com as bebés ao colo, até deixarem de chorar.

"Fui à dispensa buscar sacos e mais toalhas. Nessa altura, elas não choravam. Penso que já estavam mortas", disse a arguida, adiantando que meteu os fetos dentro de um saco.

Após o sucedido, a mulher foi trabalhar, deixando o saco com os fetos na mala do carro que utilizava habitualmente e, quando regressou a casa, começou a sentir dores e febre e pediu ajuda a uma colega, que a levou ao Hospital de Gaia.

Mais tarde, o pai da arguida foi limpar o carro e acabou por descobrir o saco contendo os fetos, tendo chamado a PSP.

O ex-companheiro e os pais da arguida não quiseram prestar declarações.

Segundo a acusação, a arguida, que é antiga árbitra de futsal, quando deu à luz, durante a madrugada, não pediu ajuda nem prestou quaisquer cuidados aos bebés.

A mulher responde por dois crimes de homicídio qualificado e dois crimes de profanação de cadáver.

O Ministério Público (MP) acusa uma jovem de cerca de 25 anos do homicídio qualificado dos dois filhos gémeos que tinha acabado de dar à luz, em Espinho, em janeiro de 2020.

Segundo a nota publicada pela Procuradoria-Geral Distrital do Porto, a mulher, "encontrando-se grávida sem o desejar, decidiu ocultar o seu estado e manter a gravidez sem qualquer acompanhamento médico".  Entre as 35 e as 36 semanas de gestação, entrou em trabalho de parto na casa em que vivia. Deu à luz duas crianças, "com vida, às quais não prestou, ou solicitou que fossem prestados, quaisquer cuidados imediatamente após o nascimento". Pelo contrário, embrulhou os dois gémeos e impediu-os de respirar, acabando por causar as suas mortes.

Espinho crime lei e justiça questões sociais julgamentos planeamento familiar
Ver comentários