Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
9

Mulher afirma ter sido sequestrada e violada

Uma mulher de 47 anos afirma ter sido sequestrada e violada nos armazéns abandonados de uma antiga pedreira, na Rua da Lagarteira, em Sanfins, Paços de Ferreira. A alegada vítima contou ao CM que, às 21h30 de anteontem, foi sequestrada por “um homem armado com pistola” que a obrigou a entrar no armazém e foi depois “agredida e violada por outro indivíduo”.
29 de Maio de 2006 às 00:00
 Deolinda Almeida mostra o local da alegada violação e as marcas das agressões de que se diz vítima
Deolinda Almeida mostra o local da alegada violação e as marcas das agressões de que se diz vítima FOTO: João C. Malta
O CM falou com o homem acusado pela mulher, que nega qualquer acto de natureza sexual. “Estive a falar três horas com ela no café, porque a minha namorada se meteu com o companheiro dela. Ela dizia que a culpa era minha. Veio atrás de mim no caminho para casa a chatear-me e dei-lhe dois estalos”, afirmou Jorge Pereira.
Deolinda Almeida conta que “estive duas horas fechada” nos armazéns ” e que sempre que gritava o Jorge “batia-me ou punha-me as mãos no pescoço. Ele fez o que quis de mim e depois libertou-me”, acrescenta. A alegada vítima conta que correu logo para casa da filha a pedir ajuda. De seguida dirigiu-se ao café junto à pedreira para telefonar para a GNR.
Deolinda descreve a noite de anteontem como “um pesadelo”. “Ia para casa quando ele me abordou. De repente veio um outro homem por trás que me apontou uma pistola e me obrigou a entrar no armazém” disse. Já no local onde diz que se consumou a violação, o homem da pistola saiu, e não o viu mais. “Fez de mim o que quis e depois libertou-me”, conta Deolinda.
Jorge Pereira, 30 anos, afirma que a única coisa que fez a Deolinda foi “dar-lhe dois estalos porque estava farto da conversa dela, que me culpava das nossas separações”.
“Não lhe fiz nada. A minha mãe disse-me que andou aí a Polícia mas a minha casa não foram”, disse Jorge, que trabalha nas Astúrias, Espanha, na construção de pontes e está em Sanfins de férias.
A GNR e depois a Polícia Judiciária estiveram no local.
PORMENORES
INVESTIGAÇÃO
Depois do alerta do sequestro e da violação, estiveram em Sanfins militares da GNR de Paços de Ferreira e duas brigadas da Polícia Judiciária, uma dos Homicídios e uma outra que trata de casos de violência e sequestro.
EXAMES
Deolinda está preocupada e diz que hoje vai ao Centro de Saúde de Santo Tirso, para fazer exames complementares. “Por causa da droga e por ele ter tuberculose vou fazer exames para ver se está tudo bem”, afirmou.
AGRESSÕES
A alegada vítima conta que esteve encerrada nos armazéns durante duas horas e que sempre que gritava o indivíduo “batia-me ou punha-me as mãos no pescoço”. Mas não avança com a identidade do homem que usou uma pistola.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)