Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
4

Mulher era cobaia para provar droga

A relação do casal era baseada em dívidas por droga. E o traficante, 30 anos, usava isso para que a mulher, toxicodependente, lhe servisse de cobaia. Forçou-a semanas a fio a deslocar-se a um apartamento no Monte da Caparica, Almada, usado para corte de heroína e de cocaína puras. Ele só vendia o produto depois de dar a provar à mulher – que comprovava a qualidade.
22 de Dezembro de 2008 às 23:19
Mulher era cobaia para provar droga
Mulher era cobaia para provar droga FOTO: Ricardo Cabral

Há dois meses que o Núcleo de Investigação de Crimes de Droga (NIC-D) da GNR de Almada andava atento à acção deste traficante. O suspeito acabou preso na quarta-feira da semana passada e os militares perceberam como a mulher consentira transformar-se numa cobaia do traficante.

A viver com outra mulher, e com filhos desse relacionamento, o traficante abusava da toxicodependente sem que se soubesse. "Uma dívida que ela foi incapaz de saldar, levou a que o traficante a ameaçasse e a obrigasse a deslocar-se diariamente à casa do Bairro Branco, no Monte da Caparica", adiantou ontem ao CM uma fonte policial.

Enquanto usava o apartamento como local de entrega de droga a passadores de rua, para posterior venda, o traficante reservou a cave da mesma habitação como "local de corte e prova da droga".

"Quando recebia a mulher, dizia-lhe para ela descer a essa cave e fazia-a esperar enquanto ele cortava a heroína e a cocaína puras", acrescentou a mesma fonte.

A mulher era coagida, física e psicologicamente, a snifar cocaína e a injectar heroína em diferentes graus de pureza, consoante as substâncias de corte utilizadas pelo traficante. Só depois de dar a sua aprovação, relativamente à qualidade da droga que havia provado, é que ele procedia à sua venda.

O NIC-D de Almada prendeu o suspeito num apartamento da Amora, Seixal. Apesar da pouca quantidade de droga apreendida, um juiz de instrução criminal do Tribunal de Almada não hesitou em colocá-lo em prisão preventiva.

GNR PRENDEU-O E ELE SALTOU DO SEGUNDO ANDAR

Já não é a primeira vez que a GNR de Almada prende este traficante. Há cerca de um ano, o suspeito foi detido, também pelo Núcleo de Investigação de Crimes de Droga, numa operação de combate ao tráfico no Monte da Caparica. O homem e os outros detidos foram levados para interrogatório no Tribunal de Almada. No entanto, o suspeito aproveitou um momento de distracção dos militares que o guardavam e saltou da janela de um segundo andar do tribunal. A GNR, de imediato, mobilizou meios humanos e materiais na perseguição ao fugitivo. Só que nunca mais foi possível apanhá-lo – até à semana passada. O traficante usou várias identidades falsas para escapar a nova detenção, procurando sempre mudar de automóveis.

FAMÍLIA DO TRAFICANTE AGRIDE MULHER

Mal souberam da detenção, os familiares do traficante reagiram mal para com a toxicodependente. Tomada como denunciante da actividade do suspeito, a mulher foi "brutalmente agredida" por várias pessoas na própria noite em que o traficante foi detido, adianta ao CM fonte policial. Ensaguentada e ferida, a mulher deslocou-se ao quartel da GNR de Almada para pedir ajuda. Depois de receber tratamento médico, foi-lhe dada uma refeição quente. Os militares permitiram que passasse a noite nas instalações da GNR, tendo a toxicodependente assegurado, na manhã seguinte, que iria pedir ajuda a familiares.

PORMENORES

TRAFICANTE HÁ DEZ ANOS

O traficante detido nunca foi toxicodependente e vivia há dez anos da venda de droga, já com pena de prisão cumprida.

FALTOU A JULGAMENTO 

A investigação da GNR de Almada começou depois de o tribunal local ter comunicado que o traficante nunca tinha respondido à notificação de um outro julgamento, por novo crime de tráfico.

COMPROU APARTAMENTO

O traficante comprou o apartamento onde foi detido, na Amora, concelho do Seixal.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)