Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal

Mulher foi espancada durante seis horas pelo namorado

Maria Somero não consegue perceber a razão do ataque, na Figueira da Foz. "Vivi momentos de terror", diz.
Paula Gonçalves 27 de Outubro de 2019 às 01:30
Maria Somero foi espancada durante seis horas pelo namorado
Maria Somero foi espancada durante seis horas pelo namorado
Maria Somero foi espancada durante seis horas pelo namorado
Maria Somero foi espancada durante seis horas pelo namorado
Maria Somero foi espancada durante seis horas pelo namorado
Maria Somero foi espancada durante seis horas pelo namorado
Maria Somero foi espancada durante seis horas pelo namorado
Maria Somero foi espancada durante seis horas pelo namorado
Maria Somero foi espancada durante seis horas pelo namorado
Maria Somero foi espancada durante seis horas pelo namorado
Maria Somero foi espancada durante seis horas pelo namorado
Maria Somero foi espancada durante seis horas pelo namorado
Maria Somero foi espancada durante seis horas pelo namorado
Maria Somero foi espancada durante seis horas pelo namorado
Maria Somero foi espancada durante seis horas pelo namorado
Maria Somero foi espancada durante seis horas pelo namorado
Maria Somero foi espancada durante seis horas pelo namorado
Maria Somero foi espancada durante seis horas pelo namorado
Maria Somero foi espancada durante seis horas pelo namorado
Maria Somero foi espancada durante seis horas pelo namorado
Maria Somero foi espancada durante seis horas pelo namorado
Maria Somero foi espancada durante seis horas pelo namorado
Maria Somero foi espancada durante seis horas pelo namorado
Maria Somero foi espancada durante seis horas pelo namorado
Maria Somero, empresária de 59 anos, residente na Figueira da Foz, estava a chegar da Finlândia e ficou surpreendida com o jantar que o namorado lhe preparou. "Parecia que ia ser uma noite romântica", lembra.

Mas acabou por ter de fugir da própria casa, na serra da Boa Viagem, após ter sido espancada a murro e com um cinto durante seis horas pelo namorado, de 44 anos.

Três dias após a agressão e ainda com marcas de violência na cara e no corpo, a empresária continua sem perceber a razão do ataque: "Ele bebeu muito nessa noite. Abriu 8 garrafas de vinho e sempre que bebe fica agressivo, mas não pensei que chegasse a este ponto". Sem que estivesse à espera, começou a agredi-la.

"Vivi momentos de horror. Estive amarrada de pés e mãos a levar pancada com um cinto e murros [durante a madrugada e manhã], altura em que consegui fugir e pedir ajuda a uma condutora", conta.

A empresária tem medo de voltar a ser atacada: "Vivo num local isolado e ele ameaçou matar-me ou mandar alguém para o fazer. Ficou com pulseira eletrónica, mas o processo de instalação pode demorar uma semana e tudo pode acontecer".

PORMENORES
Tentou queimar a vítima
Maria Somero, que teve de receber tratamento hospitalar e ficou com a casa destruída, conseguiu fugir quando o agressor foi buscar um isqueiro para a queimar: "Estava amarrada com os fios dos telefones e consegui desamarrar-me com os dentes e fugir".

Casos anteriores
O suspeito já tem processos por crimes contra pessoas. A empresária, dona de uma unidade de alojamento local, tinha apresentado uma queixa anterior, mas retirou-a. "Desta vez não vou perdoar", garante.
Maria Somero Figueira da Foz Finlândia questões sociais crime lei e justiça crime polícia
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)