Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal

Muro que matou estudantes da Universidade do Minho estava danificado há anos

Alertas existiam desde 2010. Carteiro queixou-se em 2012.
Ana Silva Monteiro 16 de Novembro de 2018 às 08:39
Muro que matou estudantes da Universidade do Minho
Vasco Rodrigues morreu aos 19 anos
João Pedro Vieira tinha 18 anos
Nuno Ramalho perdeu a vida aos 21
Tragédia aconteceu a 23 de abril de 2014, nas proximidades das instalações da Universidade do Minho, em Braga
Três pessoas perderam a vida em queda de muro em Braga
Tragédia aconteceu a 23 de abril de 2014, nas proximidades das instalações da Universidade do Minho, em Braga
Muro que matou estudantes da Universidade do Minho
Vasco Rodrigues morreu aos 19 anos
João Pedro Vieira tinha 18 anos
Nuno Ramalho perdeu a vida aos 21
Tragédia aconteceu a 23 de abril de 2014, nas proximidades das instalações da Universidade do Minho, em Braga
Três pessoas perderam a vida em queda de muro em Braga
Tragédia aconteceu a 23 de abril de 2014, nas proximidades das instalações da Universidade do Minho, em Braga
Muro que matou estudantes da Universidade do Minho
Vasco Rodrigues morreu aos 19 anos
João Pedro Vieira tinha 18 anos
Nuno Ramalho perdeu a vida aos 21
Tragédia aconteceu a 23 de abril de 2014, nas proximidades das instalações da Universidade do Minho, em Braga
Três pessoas perderam a vida em queda de muro em Braga
Tragédia aconteceu a 23 de abril de 2014, nas proximidades das instalações da Universidade do Minho, em Braga
O muro que matou três estudantes da Universidade do Minho, durante uma ação de praxe, ruiu em 2014, mas, anos antes, alertas já tinham sido dados para as fendas que a estrutura apresentava. O muro, nas imediações da universidade, servira para albergar caixas de correio de um prédio, e em 2012, Fernando Rodrigues , carteiro nessa zona, foi um dos que avisou para o mau estado da estrutura.

"Aquilo estava sempre cheio de vegetação. Houve uma altura em que cortaram tudo à volta e que dava para perceber que estava muito degradado. Além das caixas de correio estarem sempre vandalizadas, notavam-se as fendas na estrutura e alguma inclinação. Falei com o meu supervisor e depois fomos falar com o condomínio do prédio. Tinha receio que algo me acontecesse quando fosse deixar o correio", disse a testemunha, ontem, no Tribunal de Braga.

Também José Fernandes, que gere o condomínio, foi ouvido. Garantiu que a estrutura não pertence ao prédio, e por isso , ao perceber que o muro estava degradado informou a câmara do problema, isto em 2010, mas nunca obteve resposta.

PORMENORES
Morreram durante praxe
João Pedro Vieira, Vasco Rodrigues e Nuno Ramalho, de 18, 19 e 21 anos, morreram após o muro que ficava nas imediações da Universidade do Minho ruir, em 2014. Os três alunos, caloiros do curso de Engenharia Informática, estavam com outros colegas numa ação de praxe.

Novo julgamento
A Relação de Guimarães anulou o acórdão - absolvia os arguidos - do Tribunal de Braga e mandou repetir o julgamento de quatro estudantes - estavam a saltar no muro - por homicídio negligente dos colegas.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)