Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
8

Mutila-se e finge ser sequestrada

Despiu-se, rapou o cabelo, chegando mesmo a arrancar o próprio escalpe, escreveu insultos obscenos no corpo com uma caneta e incendiou o seu BMW. Depois, aguardou que alguém a viesse salvar, numa zona de mato perto do sítio onde deixou a viatura, no monte das Montedeiras, em Marco de Canaveses. Volvidos mais de dois meses sobre o caso, a PJ do Porto concluiu que Idalina Oura, de 38 anos, foi afinal vítima dela própria.
24 de Outubro de 2009 às 00:30
Mulher queimou o carro numa zona do monte das Montedeiras, em Marco de Canaveses
Mulher queimou o carro numa zona do monte das Montedeiras, em Marco de Canaveses FOTO: ALEXANDRE PANDA

Os motivos que levaram a empresária do ramo da construção civil a simular a sua tortura não são claros, mas tudo aponta para a necessidade de justificar uma situação de foro íntimo. Para incendiar o carro, pertencente ao ex-marido, colocou na viatura vários jornais a que pegou fogo.

Fonte da PJ confirmou ao CM que, apesar das provas recolhidas durante a investigação e após ter sido confrontada com elas, Idalina continua a insistir na versão que sempre apresentou à polícia. Entretanto, foi constituída arguida por simulação de crime e incêndio.

O caso remonta à madrugada de 15 de Agosto. A empresária garantiu aos bombeiros que a acudiram no local e aos inspectores que tinha sido sequestrada e barbaramente agredida por um casal que não conhecia. A mulher, residente em Baguim do Monte, Gondomar, e mãe de dois filhos menores, contava que tinha sido interceptada numa rotunda em Entre-os-Rios, Penafiel, na noite anterior. Relatou que a levaram para o monte onde a torturaram e ameaçaram de morte, antes que conseguisse fugir. Idalina tinha apresentado queixa por ter sido vítima de um carjacking, um mês antes, mas também essa situação foi simulada, disse a PJ.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)