Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
1

“Não achámos conveniente, aliás, necessário convocar a PJ Militar”: Ex-diretor do DCIAP testemunha no caso Tancos

Procurador jubilado explicou a não presença da PJM da reunião onde foi decidida a atribuição da investigação à PJ civil.
José Durão 28 de Abril de 2021 às 08:27
Amadeu Guerra está jubilado
Amadeu Guerra está jubilado FOTO: Luís Costa
“Não achámos conveniente, aliás, necessário convocar a PJ Militar”. Assim explicou esta terça-feira Amadeu Guerra, diretor do Departamento Central de Investigação e Ação Penal na altura do assalto a Tancos, a não presença da PJM da reunião onde foi decidida a atribuição da investigação à PJ civil.

Nessa reunião, dias após o assalto, estiveram o agora procurador jubilado, a na altura procuradora-geral, Joana Marques Vidal, Luís Neves, na altura diretor da Unidade Nacional Contra Terrorismo, e os dois procuradores titulares. Centenas de armas foram furtadas, em 2017, dos paióis de Tancos. E depois recuperadas numa ação ilegal da PJM.

PJ Militar PJM Amadeu Guerra política defesa questões sociais Tancos
Ver comentários