Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
2

Onda leva pescador da falésia

Uma onda mais forte na zona dos Arquizes, perto da Armação Nova, em Sagres, ceifou ontem a vida a António Manuel Rosa da Silva, de 33 anos, o terceiro pescador lúdico a desaparecer nas águas da Costa Vicentina desde o início do ano. Até ao fecho desta edição o corpo ainda não tinha sido localizado.
12 de Fevereiro de 2008 às 00:30
Habitual frequentador da zona, António Manuel, residente em Lagoa, estava num pesqueiro considerado “muito perigoso” por quem ali vai habitualmente à procura de sargos. Desceu sem o auxílio de cordas e sem protecção para uma zona a menos de dez metros da linha de água e depois de uma primeira onda mais forte seguiu-se outra que o arrastou.
O mar estava traiçoeiro, “de leva”, conforme a terminologia utilizada pelos pescadores, com ondulação de dois a três metros, embora ocasionalmente algumas vagas fossem maiores. Terá sido uma dessas vagas a levar o pescador.
O corpo ainda foi visto a cerca de 200 metros de distância, para sul, mas depois desapareceu. No pesqueiro ainda era visível a cesta que o acompanhava e o salva-vidas ‘Rainha D. Amélia’, chamado ao local, recuperou as canas utilizadas pelo pescador e uma sacola, nas buscas efectuadas num raio de seis milhas. Nos trabalhos estiveram envolvidos outros meios: elementos da Polícia Marítima, um helicóptero do Serviço Nacional de Bombeiros e Protecção Civil, equipas dos bombeiros de Vila do Bispo, do INEM e da GNR.
António Manuel costumava pescar com amigos mas algumas vezes ia só, como sucedeu ontem. Deixou o carro – um Suzuki Vitara – nas proximidades e percorreu a pé cerca de 300 metros até ao pesqueiro. Chegou por volta das 07h00 (saiu de casa, a cerca de 60 quilómetros de distância, às 06h00), tendo o acidente ocorrido cerca de uma hora depois. Outros pescadores lúdicos aperceberam-se do acidente e deram o alerta.
As buscas prosseguem na manhã de hoje, com meios aéreos, marítimos e terrestres.
"CONHECIA MUITO BEM A ZONA"
A pesca “era o vício, o passatempo e também um pouco da vida” de António Manuel, diz a companheira, Cláudia, que se deslocou ao local do acidente ao fim da manhã de ontem na companhia da mãe.
O pescador lúdico desaparecido nas águas da Costa Vicentina possuía uma loja de venda de isco e de mariscos, em Lagoa, e costumava pescar na zona de Sagres. “Ele conhecia muito bem a zona e vinha para aqui com frequência, sempre que tinha folga. Quase sempre com amigos mas também só, como sucedeu nesta ocasião.”
Cláudia conversou pela última vez com António Manuel na noite de domingo e sabia que no dia seguinte o companheiro viria para a sua actividade preferida. “Saiu cedo, como costumava fazer. Adorava pescar.” O casal tem uma filha, de 14 anos, e ainda um menino de 8 anos adoptado.
O responsável pelas capitanias de Portimão e Lagos, comandante Marques Pereira, lamentou a sucessão de acidentes fatais na Costa Vicentina. “Esta zona é particularmente perigosa e aconselha-se o uso de colete e de arnês, prática infelizmente pouco comum. É importante que os pescadores tenham consciência dos riscos e tomem as necessárias precauções, reduzindo o risco.”
OUTROS ACIDENTES
CARRAPATEIRA
Este é o terceiro caso do ano na Costa Vicentina. No primeiro, a 6 de Janeiro, no Pontal da Carrapateira (concelho de Aljezur), José Martins, de 47 anos, foi levado por uma onda mas o seu corpo não chegou a aparecer, resultando infrutíferas as buscas.
ZAVIAL
A 17 de Janeiro, Inácio Lourenço Mariano, de 71 anos, escorregou numa falésia da praia do Zavial, concelho de Vila do Bispo, e morreu, no segundo caso do ano. Desde o início do ano já se registaram três acidentes mortais na Costa Vicentina. Em 2007 morreram cinco pescadores em quedas naquela zona.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)