Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
9

Juiz Jorge Antunes vai apreciar queixa de Sócrates contra Carlos Alexandre

Na decisão instrutória, em abril de 2021, o juiz Ivo Rosa decidiu ilibar José Sócrates de 25 dos 31 crimes.
Lusa 24 de Janeiro de 2022 às 14:03
José Sócrates
Carlos Alexandre perde processo contra elementos do FC Porto
José Sócrates
Carlos Alexandre perde processo contra elementos do FC Porto
José Sócrates
Carlos Alexandre perde processo contra elementos do FC Porto
O processo relativo à queixa apresentada pelo antigo primeiro-ministro José Sócrates contra o juiz de instrução da Operação Marquês, Carlos Alexandre, vai ser apreciado pelo desembargador Jorge Antunes, ditou esta segunda-feira o sorteio no Tribunal da Relação de Lisboa.

"Informo que o processo em causa (...) foi distribuído à 5.ª Secção (crime) deste Tribunal, tendo como relator o (...) Desembargador Jorge Antunes", referiu fonte do Tribunal da Relação de Lisboa à agência Lusa. Em causa está a alegada distribuição manual do inquérito "Operação Marquês" ao juiz Carlos Alexandre pela escrivã que já tinha trabalhado com o magistrado judicial em outros tribunais.

O Expresso avançou na sexta-feira que se o requerimento da defesa de Sócrates for aceite, Carlos Alexandre e a escrivã Teresa Santos terão de responder sobre as suspeitas de alegados crimes de abuso de poder, falsificação de funcionário e denegação de justiça. Em 03 de janeiro, a defesa de José Sócrates criticou, em declarações à Lusa, o Conselho Superior da Magistratura (CSM) por considerar que a entrega do inquérito Operação Marquês ao juiz Carlos Alexandre foi apenas uma "irregularidade procedimental", apesar de ter sido feita em "violação da lei".

O advogado do ex-primeiro-ministro, Pedro Delille, referiu então que o inquérito realizado pelo CSM à distribuição do processo Operação Marquês, em setembro de 2014, ao juiz Carlos Alexandre reconheceu que aquela atribuição foi feita em violação do juiz natural, princípio que garante a imparcialidade e a independência de quem vai apreciar e decidir sobre o caso. "O CSM deixa 'preto no branco' que houve violação do juiz natural. Porém, para o CSM não passa de uma mera irregularidade procedimental", criticou, na altura, Pedro Delille. Em sua opinião, a distribuição do processo foi feita por uma funcionária judicial "da absoluta confiança do juiz Carlos Alexandre".

Segundo o advogado, o CSM recusou durante cinco meses a José Sócrates a entrega das conclusões deste inquérito, tendo sido necessário recorrer à Comissão de Acesso aos Documentos Administrativos (CADA), que ordenou que fosse entregue a documentação. José Sócrates foi acusado neste processo pelo Ministério Público, em 2017, de 31 crimes, designadamente corrupção passiva, branqueamento de capitais, falsificação de documentos e fraude fiscal.

No entanto, na decisão instrutória, em abril de 2021, o juiz Ivo Rosa decidiu ilibar José Sócrates de 25 dos 31 crimes, pronunciando-o, para ir a julgamento, por três crimes de branqueamento de capitais e três de falsificação de documentos.
Ver comentários