Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
7

Ossadas revelam mais uma vítima dos fogos

Descobertas ossadas que podem pertencer a Rui Costa, de Folgosinho.
Tiago Virgílio Pereira 12 de Janeiro de 2018 às 08:51
Rui Costa está desaparecido na Serra da Estrela desde o incêndio de 15 de outubro
Rui Costa está desaparecido na Serra da Estrela desde o incêndio de 15 de outubro
Uma centena de bombeiros e trinta e oito veículos combateram as chamas em Teixeira de Cima, Seia, distrito da Guarda
Fogo na Guarda
Fogo na Guarda
Fogo na Guarda
Fogos
Rui Costa está desaparecido na Serra da Estrela desde o incêndio de 15 de outubro
Rui Costa está desaparecido na Serra da Estrela desde o incêndio de 15 de outubro
Uma centena de bombeiros e trinta e oito veículos combateram as chamas em Teixeira de Cima, Seia, distrito da Guarda
Fogo na Guarda
Fogo na Guarda
Fogo na Guarda
Fogos
Rui Costa está desaparecido na Serra da Estrela desde o incêndio de 15 de outubro
Rui Costa está desaparecido na Serra da Estrela desde o incêndio de 15 de outubro
Uma centena de bombeiros e trinta e oito veículos combateram as chamas em Teixeira de Cima, Seia, distrito da Guarda
Fogo na Guarda
Fogo na Guarda
Fogo na Guarda
Fogos
A lista de mortes devido aos incêndios do ano passado pode ter mais uma vítima. Nos dias 20 e 21 de dezembro, a Judiciária da Guarda recolheu, em Folgosinho, no concelho de Gouveia, ossadas que podem ser de Rui Costa, de 49 anos, que está desaparecido desde outubro e que se supõe ter morrido a fugir do fogo.

"Nesta fase, foram pedidas amostras de ADN à família para confirmar. Temos a convicção que é ele, mas o objetivo é conseguirmos, a curto prazo, encerrar a investigação", explicou José Monteiro, coordenador da PJ da Guarda. Espera-se que durante as próximas semanas sejam conhecidos os resultados dos exames periciais.

Se tal se confirmar, o número de mortes aumenta para 112. Há mais um desaparecido, pelo menos, dos fogos de outubro. Trata-se de Libânio Cardoso, de 70 anos, natural de Troviscal, na Sertã.

Quase três meses depois dos incêndios que fustigaram, sobretudo, o Centro e Norte do País, o Movimento Associativo de Apoio às Vítimas de Midões, que já distribuiu mais de um milhão em donativos pelas vítimas dos fogos, garantiu ontem que "há ainda milhares de lesados sem qualquer ajuda e que continuam abandonados". 
Ver comentários