Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
4

Ourives em tribunal por ter morto ladrão

"É uma injustiça o que lhe estão a fazer. Deviam era dar--lhe um louvor por ter tentado defender o que era dele". A opinião é de Manuel Carvalho, um antigo cliente da ourivesaria Vilaça, em S. Romão de Coronado, na Trofa, que foi assaltada em Julho do ano passado por um grupo de quatro homens armados. O ourives começa hoje a ser julgado pela morte de um dos assaltantes.
6 de Abril de 2010 às 00:30
Manuel Carvalho era cliente de Vilaça e diz que o ourives “foi um herói”
Manuel Carvalho era cliente de Vilaça e diz que o ourives “foi um herói” FOTO: Fátima Vilaça

O comerciante, Fernando Vilaça, senta-se no banco dos réus no Tribunal de Santo Tirso e está acusado de "homicídio privilegiado", um crime que é punível com prisão de um a cinco anos. Está prevista na lei para os casos em que o acto surge num estado de "emoção violenta".

O assalto aconteceu no dia 2 de Julho de 2009, quando quatro jovens entraram na ourivesaria Vilaça, partiram as montras e roubaram vários artigos em ouro. Tresloucado, o ourives pegou numa caçadeira e atingiu um dos ladrões, que tinha disparado contra si. O jovem de 18 anos acabou por morrer à porta de casa, em Rio Tinto, onde foi deixado depois do assalto.

Manuel não assistiu aos acontecimentos de Julho de 2009, mas é da opinião que o ourives "devia ser um exemplo". "Talvez assim os ladrões pensassem duas vezes antes de entrar por aí a roubar", afirma.

O início do julgamento é tema de conversa na freguesia. "É a justiça que temos. Um homem sério e trabalhador vai ser julgado por não querer que lhe roubassem o que era dele", considerou.

Os antigos clientes de Fernando Vilaça lamentam que o ourives não tenha voltado ao negócio e lembram que o empresário "ficou muito abalado com tudo o que aconteceu" e que não voltou a abrir a loja "com medo do que lhe pode vir a acontecer". Desde o assalto, é seguido por um psiquiatra.

Os assaltantes estão quase todos em prisão preventiva. Foram apanhados pela PJ uns dias depois, mas serão julgados em separado pelo roubo à ourivesaria.

PORMENORES

AMEAÇADO DE MORTE

O empresário, de 57 anos, resistiu ao assalto e foi ameaçado de morte, com o grupo de assaltantes, com idades entre os 16 e os 19 anos, a conseguir fugir com artigos de ouro num valor superior a 204 mil euros.

ONDA DE ASSALTOS

A quadrilha pôs-se em fuga num carro que tinha sido roubado por carjacking em Paços de Ferreira, onde os esperava outro colega. Mesmo com o amigo, de 18 anos, a esvair-se em sangue, o grupo continuou a onda de assaltos e, perante a falta de gasolina, ainda roubaram outra viatura.

ABANDONADO

Carlos, de 18 anos, o ladrão baleado, era tido como o líder do grupo. Foi abandonado pelos cúmplices à porta de casa, no bairro dos Carreiros, em Rio Tinto, cerca de uma hora depois do assalto. Faleceu diante do olhar da mãe.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)