Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
8

“Parece que ainda a ouço chamar por mim” (COM VÍDEO)

Três dias depois do acidente que vitimou sete jovens em Penafiel, José Rocha, pai de Fernanda, uma das vítimas, ainda não conseguia acreditar que perdera a filha. Ontem, no momento em que o corpo da jovem de 19 anos foi a enterrar, em Boelhe, a emoção tomou conta do progenitor, que não conteve as lágrimas.
19 de Setembro de 2009 às 00:30
Tânia Silva:  A jovem, de 18 anos, conduzia a carrinha onde seguia com mais sete amigas. Ontem no funeral a revolta era bem visível entre as pessoas.
Tânia Silva: A jovem, de 18 anos, conduzia a carrinha onde seguia com mais sete amigas. Ontem no funeral a revolta era bem visível entre as pessoas.

'Fecho os olhos e parece que ainda a ouço chamar por mim. Já sinto falta dos abraços que ela me dava todos os dias', contou ao CM José, visivelmente emocionado.

O corpo de Fernanda foi sepultado junto ao do cunhado, que morreu há um ano. Antes do caixão ser enterrado, a mãe deitou-se sobre ele e colocou em cima uma manta com a qual a jovem costumava dormir.

A dor e revolta que se fazia sentir em Boelhe estendia-se ontem à família de Tânia Silva, a condutora do veículo, cujo funeral se realizou em Rio de Moinhos. O pai da jovem, de 18 anos, não conseguiu comparecer ao funeral. Anteontem à noite, o homem sentiu-se mal e teve de ser hospitalizado.

Já no cemitério, a família da vítima decidiu abrir o caixão para que as centenas de pessoas presentes na cerimónia pudessem despedir--se por uma última vez da jovem. Depois de uma enorme salva de palmas, seguiram-se vários gritos de dor e desespero.

No funeral de Célia, 17 anos, em Duas Igrejas, Paredes, o padre repetiu um a um o nome das sete vítimas da tragédia de Penafiel. Em grande silêncio, familiares e amigos, alguns com rosas brancas na mão, disseram um último adeus à jovem de Duas Igrejas.

Em Pinheiro, Penafiel, das mais de 500 pessoas presentes no funeral de Cláudia Cancela, de 19 anos, cerca de metade eram jovens e quase todos levavam flores brancas. Filipe Clemente foi o porta-voz de uma homenagem a Cláudia: 'Os que hoje se encontram aqui amam-te muito e jamais deixarão de amar-te.'

As lágrimas banhavam quase todos os rostos e muitos demoraram a abandonar o cemitério. 'Foi um adeus muito difícil', ouviu-se.

 

 

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)