Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
9

Pasteleiro diz que ateou fogo a colega de restaurante em Aveiro numa "brincadeira"

Colega passou-lhe para as mãos um isqueiro "avariado" e ele fez de conta que lhe ia pegar fogo, alega o arguido.
Lusa 4 de Maio de 2021 às 12:43
Tribunal de Aveiro
Tribunal de Aveiro FOTO: Direitos Reservados
Um homem de 30 anos acusado de ter ateado fogo a uma ex-colega de trabalho, num restaurante em Aveiro, confessou hoje os factos que lhe foram imputados, mas negou ter tido intenção de magoar a vítima.

Durante a primeira sessão do julgamento, no Tribunal de Aveiro, o arguido admitiu ter atirado álcool para cima da colega, numa brincadeira, adiantando que "era costume no final do serviço andarem a atirar álcool uns aos outros".

Posteriormente, um colega passou-lhe para as mãos um isqueiro "avariado" e ele fez de conta que lhe ia pegar fogo.

"Estava convencido que nunca ia acontecer aquilo, porque sabia que o isqueiro não funcionava", disse o arguido, que está acusado de um crime de ofensa à integridade física qualificada.

O arguido contou ainda que transportou a vítima ao hospital e pediu-lhe desculpa pelo sucedido, tendo-se oferecido para suportar todas as despesas com tratamentos médicos, e reconheceu que "foi uma atitude descuidada".

"Foi uma brincadeira muito estúpida. Serviu de lição para mim e para os outros todos", disse o arguido, adiantando que depois desta situação deixaram de ter este tipo de brincadeiras no restaurante, onde era pasteleiro.

Durante a sessão, foi também ouvida a vítima que, em lágrimas, recordou o episódio ocorrido na noite de 13 de setembro de 2018 e disse estar "muitíssimo magoada" com o arguido, adiantando que é um assunto que ainda "mexe muito" consigo.

A ofendida contou ainda que pediu para o arguido parar de lhe atirar álcool e que ele "não deu ouvidos àquilo que dizia".

"Só me questiono porque é que ele acenderia o isqueiro três vezes. Se fosse em tom de brincadeira nunca acenderia o isqueiro", disse a vítima, dizendo acreditar que o incidente "tenha sido algo propositado".

Os factos criminosos ocorreram num restaurante em Aveiro, aonde o arguido e a ofendida trabalhavam, o primeiro como pasteleiro e a segunda como empregada de mesa e bar.

A acusação do Ministério Público (MP) refere que a vítima, então com 21 anos, se deslocou ao restaurante para receber o vencimento e quando se encontrava na zona da copa o arguido, sem que nada o fizesse prever, despejou um frasco de álcool etílico sobre ela.

Posteriormente, o arguido aproximou-se dela e acendeu um isqueiro, tendo ateado fogo às roupas da ofendida, que, em chamas, correu para a rua aos gritos a pedir ajuda.

A rapariga ficou com os cabelos queimados e sofreu queimaduras de segundo grau em diversas partes do corpo, tendo sido transportada pelo próprio arguido para o Hospital de Aveiro e depois foi transferida para a Unidade de Queimados do Centro Hospitalar da Universidade de Coimbra.

O MP diz que o arguido agiu com o propósito concretizado de ofender a ex-colega "no corpo e na saúde", causando-lhe lesões que consubstanciam "uma desfiguração grave e duradoura".

 

Aveiro crime lei e justiça questões sociais investigação
Ver comentários