Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
1

Pena por morte leva a pancada em tribunal

Familiares e amigos de Hugo Carrilho exigiam mais do que 12 anos para Gerson Varela.
João Tavares 28 de Julho de 2018 às 01:30
Jovem condenado a 12 anos de prisão por matar em discoteca de Lisboa
Jovem condenado a 12 anos de prisão por matar em discoteca de Lisboa
Jovem condenado a 12 anos de prisão por matar em discoteca de Lisboa
Jovem condenado a 12 anos de prisão por matar em discoteca de Lisboa
Jovem condenado a 12 anos de prisão por matar em discoteca de Lisboa
Jovem condenado a 12 anos de prisão por matar em discoteca de Lisboa
Jovem condenado a 12 anos de prisão por matar em discoteca de Lisboa
Jovem condenado a 12 anos de prisão por matar em discoteca de Lisboa
Jovem condenado a 12 anos de prisão por matar em discoteca de Lisboa
Jovem condenado a 12 anos de prisão por matar em discoteca de Lisboa
Jovem condenado a 12 anos de prisão por matar em discoteca de Lisboa
Jovem condenado a 12 anos de prisão por matar em discoteca de Lisboa
Jovem condenado a 12 anos de prisão por matar em discoteca de Lisboa
Jovem condenado a 12 anos de prisão por matar em discoteca de Lisboa
Jovem condenado a 12 anos de prisão por matar em discoteca de Lisboa
Jovem condenado a 12 anos de prisão por matar em discoteca de Lisboa
Jovem condenado a 12 anos de prisão por matar em discoteca de Lisboa
Jovem condenado a 12 anos de prisão por matar em discoteca de Lisboa
Jovem condenado a 12 anos de prisão por matar em discoteca de Lisboa
Jovem condenado a 12 anos de prisão por matar em discoteca de Lisboa
Jovem condenado a 12 anos de prisão por matar em discoteca de Lisboa
Pouco depois de a juíza Ana Peres ter aplicado 12 anos de prisão a Gerson Varela, por este ter assassinado a tiro o rival Hugo Carrilho à porta da discoteca Luanda, em Lisboa, em março de 2017, familiares e amigos da vítima que assistiram à sentença descontrolaram-se.

Atiraram uma garrafa de água e uma mala na direção do homicida e chamaram-lhe assassino, o que levou à intervenção dos agentes da PSP presentes na sala de audiência. A polícia retirou o preso da sala e teve de usar a força para conter as pessoas próximas da vítima.

A mãe da vítima caiu mesmo no chão e sofreu ferimentos numa perna, a ponto de ter sido transportada de ambulância para o Hospital de São José. Uma altercação que já era temida pela juíza-presidente, tanto que no início da sessão relembrou todos os presentes de que já na audiência anterior tinham havido alguns problemas. Como tal, disse que qualquer pessoa que se manifestasse durante a sentença seria expulsa.

Contudo, familiares e amigos de Hugo Carrilho – que deixou uma filha de apenas três anos – ‘explodiram’ depois de ouvirem a condenação pelo crime de homicídio simples, e não homicídio qualificado como constava da acusação.

Ainda assim, um crime com uma moldura penal entre os 8 e os 16 anos, tendo o tribunal optado por 12 anos. Gerson e Hugo, oriundos de bairros rivais de Loures – Quinta do Mocho e Quinta da Fonte – confrontaram-se dentro da discoteca. Gerson saiu, muniu-se de um revólver calibre .22 e esperou por Hugo Carrilho.

Disparou pelo menos cinco vezes, matando o opositor.

PORMENORES 
Seis munições
A polícia apreendeu seis munições do mesmo calibre ao atirador, de 24 anos. Exames detetaram ainda resíduos de pólvora nas mãos e na cara do homicida. Depois do crime deitou a arma fora.

Atirador ferido
No confronto, Gerson também foi alvejado, bem como um amigo. Contudo, estes foram atingidos por disparos de uma pistola calibre 6,35 mm. Os disparos terão sido feitos por rivais que nunca foram identificados.

Levam amigo
Dois amigos pegaram em Hugo, de 23 anos, gravemente ferido, meteram-no num carro e rumaram ao hospital. Pelo caminho mandaram parar uma ambulância. Hugo morreu já no hospital.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)